sábado, 30 de dezembro de 2017 26 comentários

Despedida do ano de Oxossi e Oxum

              


    O ano se fecha, e com ele vai terminando a regência de dois lindos e poderosos Orixás.

    É o momento dos filhos e filhas de Pai Oxossi e Mãe Oxum dizerem adeus a 2017, e fazerem o balanço de como foi essa passagem tão rápida desses dois Orixás nas vidas não só dos tão ditos filhos, mas de todos os seres humanos.

    Como foi dito já quase no final de 2016, o ano de 2017 iria passar como uma flecha de Oxossi, e realmente foi assim. Quando menos esperávamos já estávamos nos meados do ano, já entrando para reger o ano junto com Oxossi, a bela Oxum, mãe das cachoeiras, deusa do amor e da família, fazendo que assim o senhor das matas e florestas caminhasse muito bem acompanhado até o fim de 2017.

    Após o jogo de Búzios de nosso amado Rei Congo no ano de 2016, no qual ele previu e confirmou quais seriam os Orixás do próximo ano juntamente com nossos queridos Pai Antero e Vovô Benedito, já foi criado uma grande expectativa, principalmente no que foi dito na rapidez da passagem do ano, e realmente parece que foi ontem que tudo foi esclarecido.

    E a flecha voou pelos ares em uma rapidez tão intensa que mal percebemos.

    Mas depois de muito corrermos para que não ficássemos para trás, e depois de piscarmos e respirarmos para tomarmos um fôlego, sem percebermos o ano termina.

    E fica a pergunta no ar, será que conseguimos por em prática os ensinamentos dos Pretos Velhos?

    Será que não nos acomodamos em algum fato?

    Será que conseguimos alcançar nossos objetivos?

    Será que vencemos nossos obstáculos?

    Esse ano, conforme dito foi muito propício para estudos, para busca de um futuro, para nos afirmarmos de vez em nossa profissão, ou entendermos que estamos no caminho correto.

    Foi um ano maravilhoso para o saber, o entender e o crescer, fazendo com que aquele que realmente se aplicou, colhesse os frutos da vitória.

    Os estudantes certamente notaram que foi um ano de luta sim, mas para aqueles que não se acomodaram, venceram.


    O ano de Oxossi realmente foi um ano de muitas descobertas científicas, muitas delas que darão esperanças aos seres humanos, descobertas como por exemplo que os pulmões também servem para produzir sangue. Cientistas da Universidade da Califórnia descobriram que esses órgãos produzem à maior pare das plaquetas do sangue, cerca de 10 milhões por hora, ou que um novo órgão humano, o mesentério , foi encontrado. Em um estudo , cientistas descobriram que ele une o intestino com a parede do abdômen, ou mesmo ainda que segundo pesquisas feitas na Austrália, é possível que a síndrome do ovário policístico tenha início no cérebro, não nos ovários, e além dessas descobertas dezenas de outras foram reveladas.

    Portanto o ano de Oxossi como foi dito foi extremamente importante para a ciência, porém muitas ainda não foram reveladas, principalmente na área de saúde humana por lutarem contra a ganância de muitos.

    Oxum chegou no segundo semestre, com ela veio as águas, a paz em família, o amor cresceu, porém para aqueles que desacreditam no poder fraternal das famílias, sofreram por acreditar em se encontrar presos, atados, encarcerados.

    Oxum distribuiu paz e amor, mas somente para aqueles de bom coração, sem egoísmo, sem rancor e com fé.

    Muitos se perderam por falsas paixões, muitos se entregaram a emoções sem utilizar a razão. E para esses, Oxum pede reflexão.

    Como dito a natureza iria se defender do ser humano em 2017, os mares iriam mostrar sua força, e assim aconteceu, tomaram espaços que antes era dito do homem.

    Foi previsto também que nesse ano de Oxossi e Oxum, teríamos um balanceamento entre a paz e a guerra, e foi dito que dependeria muito do livre arbítrio dos poderosos, porém esse livre arbítrio foi usado para atacar e criar o ódio, sempre com o intuito da guerra.

    Fomos alertados que a ganância de ditadores faria a miséria crescer. Muita fome, dores e doenças viriam por esse motivo, e que a perda da paz está propícia em muitas partes do planeta, tendo o medo crescente entre a humanidade.

    E assim vimos nos Estados Unidos, na Coréia do Norte, no Japão, na China, na Síria, na Coréia do Sul, e claro em nosso próprio país, o tão sofrido Brasil.

    E falando ainda do Brasil, foi dito que sem a união do povo, seremos apenas um grupo de sem futuro dominados pelos gananciosos do poder. E a resposta veio esse ano, o povo não se uniu, e o país se afundou nos mares da ganância, corrupção e miséria.

    As respostas vieram, conforme as lições dos Búzios de nossos Pretos Velhos.

    Vamos levar esse ano de Pai Oxossi e de Mãe Oxum como lição para o próximo ano, refletindo mais nas previsões dadas, compreendendo mais as palavras ditas.

    E vamos tentar não errar tanto no ano de 2018, que será regido por Pai Xangô, tendo a companhia da bela Iansã a partir do segundo semestre, para que assim o sofrimento seja diminuído e possamos só sorrir ao findar do ano.

    Feliz ano novo a todos os amigos e irmãos de fé.

    Obrigado Pai Oxossi e Mãe Oxum por terem nos acompanhado por todo ano de 2017.

    Sejam bem vindos pai Xangô e Mãe Iansã !


Carlos de Ogum


quarta-feira, 20 de dezembro de 2017 39 comentários

Mensagem Para o Fim de Ano de 2017

  


    Supremo Pai Oxalá,

    Poderoso Senhor, Pai de todos os Orixás.
    Meu Mestre do tempo passado, presente e futuro.

    Ao término desse ano, estou aqui humildemente para lhe agradecer por todas as bênçãos recebidas como presente de ti.

Quero lhe agradecer pela minha vida, pelos raiares dos dias belos, pelas flores que perfumaram meus dias, pelo Sol maravilhoso que nos aqueceu, pelos ventos que nos refrescaram, pela chuva que lavaram nossas indecisões, pela água límpida que nos matou a sede, pelo pão que nos matou a fome.

    Agradeço também amado Senhor, pelas dores que passei que me fizeram refletir sobre minha fragilidade, pelos obstáculos em meus caminhos que me ensinaram a ter calma para deles desviá-los, pelas lágrimas perdidas fazendo assim lavar minhas tristezas e agonias, por tudo que pedi e recebi, e por tudo que implorei e não recebi, pois assim aprendi a entender o verdadeiro merecimento.

     Agradeço pelos amigos que me acompanharam por todo ano, e agradeço pelos possíveis inimigos que tu certamente tiraste de meu caminho. Agradeço a sabedoria e a paciência de me fazer ouvir os problemas de alguém que buscava um caminho, e agradeço as palavras que me conduziste a falar; mesmo duras, para aqueles que não deram valor as bênçãos que o Senhor os concedeu.

    A ti Pai Oxalá, a todos os Orixás e a todas as Entidades de Luz, ofereço todas as minhas vitórias desse ano, todas as bênçãos que minhas mãos puderam tocar as coisas que pude construir com essas mesmas mãos, o bom trabalho realizado, as palavras vindas do coração, a caridade cedida a um irmão.

    Querido Pai Oxalá, nesse instante lhe entrego todos os amigos, que comigo percorreram tantos caminhos distribuindo a caridade.

    Entrego-lhe também os novos e antigos companheiros, que ao se aproximarem de mim em busca de auxilio, também me auxiliaram com alguma palavra a refletir.

   Entrego em suas mãos os irmãos que estão tão perto de mim, e também os que estão tão distantes, mas mesmo assim rompem fronteiras para me iluminar com a luz da amizade e da fé.

    Também peço muita proteção Senhor, para aqueles que me estenderam as mãos e me deram a palavra correta no instante da dúvida durante a minha caminhada, e claro também para aqueles que pediram minhas mãos num momento de desespero.

    Agradeço por cada resposta divina quando me sentia perdido dentro das dúvidas alheias e fatos ocorridos, e agradeço a luz no meu caminho que tu me acendeste cada vez que eu acreditava que algo não tinha saída.

    E nesse momento aproveito para além de lhe agradecer, fazer algo melhor, te pedir perdão.

    Perdão pelas palavras soltas e mal utilizadas, pelo tempo perdido em coisas supérfluas, pelo dinheiro não economizado e gasto em coisas desnecessárias, pela minha falta de compreensão com alguns fatos que achava irrelevante, pela minha falta de paciência com pessoas que eu achava que não mereciam atenção.

    Peço perdão ainda pela oração não passada a um irmão que precisava, ou pela mesma oração que não fiz no momento que era para ser feita.

    Perdão pelo momento que deixei um amigo necessitado aguardando uma palavra de conforto, enquanto eu mesmo estava tentando buscar uma própria palavra os meus problemas.

    Perdão por não ter agradecido o suficiente, e ter pedido mais do que eu precisava.

    Perdão Senhor por achar que às vezes meus problemas eram maiores dos que os ditos por meus semelhantes.

    Perdão pelas reclamações de um dia de chuva, ou pelo mau humor de um dia de calor extremo.

    Perdão por não ter posto em prática a missão dada por ti, de rezar com fé e sem limites por um irmão obsedado.

    Perdão pelo esquecimento no momento de nossas refeições com mesa farta, não rezarmos pelos irmãos famintos por todo o mundo.

    Querido Pai de todos nós, a ti entrego esse novo e abstrato ano.

    Ano esse que nem sabemos se chegaremos ao fim, que nem imaginamos o que podemos passar, que não sabemos quantos sorrisos daremos, quantas lágrimas rolarão de nossa face, quantas vezes ajoelharemos para fazermos uma oração, quantos pedidos receberemos por nosso merecimento, quantos obstáculos vamos desviar, e quantas vezes mais vamos clamar, pedindo e pedindo sem ao menos agradecer.

    Portanto, amado Pai Oxalá, hoje venho pedir sim, porém já agradecendo, para mim, meus amigos e possíveis inimigos, muita paz e amor extremo, o sorriso sem tristeza, a prudência e a fortaleza, a sabedoria e a lucidez, o otimismo e a bondade, a luz e a caridade.

    Senhor fechai meus ouvidos para a falsidade, fechai minha boca no momento das palavras egoístas e mentirosas.

   Que eu consiga ser sempre luz para aquele que se encontre na escuridão, que eu consiga ser estradas abertas para aquele que está buscando um caminho, que eu consiga ser paz para aquele que está em desespero, que eu consiga ser esperança para aquele que perdeu a fé.

    Lapide-me assim meu Pai, por todo esse ano que vai nascer, para que eu possa sempre levar seu nome, e assim semear uma bela corrente de paz, fraternidade, fé, caridade e principalmente amor uns com os outros.

    Querido Oxalá, a meus amigos irmãos que irão ler essa pequena mensagem, peço a ti que os encham de sabedoria, amor, paz e fé, fazendo assim com que essa bela corrente fraternal germine e comece a crescer por todo novo ano, por toda a eternidade.

    Eu com todo carinho desejo um maravilhoso ano novo a todos os irmãos, umbandistas ou não.

   Que Pai Oxalá, todos os maravilhosos Orixás e todas as lindas Entidades de Luz abençoe a cada um de nós, não só nesse novo ano, mas também por toda nossa vida, tanto de encarnado quanto de desencarnado.

Que assim seja!

E assim será...
**********************************************************************

Obs.: Nós do Terreiro Pai Ogum Megê temos um agradecimento especial as Entidades de Luz de nossa casa pelas palavras corretas na hora correta, pelas lições nos momentos de não entendimento, pelo carinho nos momentos de desespero, pela resposta na hora da dúvida, pela paciência nos momentos da teimosia, pela luz na hora da escuridão.

    Gostaria de agradecer ao Mentor da casa Vovô Rei Congo das Almas, que com carinho nos escuta, se alegra com nossas vitórias, chora com nossas tristezas e nossos erros. E com ele vem toda a maravilhosa legião de Pretos Velhos, que semana a semana nos deixa com sentimento de verdadeiros netos, pois a demonstração de amor, carinho, compaixão é de uma intensidade tão extrema que somente os vovôs e vovós poderiam nos proporcionar. Obrigado Pai Antero, Vovô Benedito, Vovó Joaquina, Vovó Anita, Pai José, Vovó Cambinda, Pai Cipriano, Vovô Chico, Vovô Joaquim, Pai Isidoro, Vovó Maria Conga, Vovó Benedita, Pai Antonio e Pai Casemiro.

    Devemos agradecer o firmamento dos Exús em nossos trabalhos e em nossa tronqueira, a alegria e os descarregos das Pombo Giras, dos Malandros e Malandras, dos Boiadeiros, dos Ciganos, e dos poderosos Caboclos e Caboclas.

    Agradecemos a ingenuidade das Ibeijadas, nossas amadas crianças; a cada sorriso dado, a cada lágrima perdida, a cada trabalhinho em prol da saúde, principalmente dos pequeninos.

    Obrigado a Cosmezinho de Oxum, que puxa sempre o trem, a Joãozinho das Matas, a Pedrinho de Xangô, a Rosinha de Omulú, a Aninha Estrelinha do Mar, a Joaninha, as Mariazinhas, aos Joãozinhos, ao Juquinha, e ao lindo Zezinho.

    Muito obrigado por estarem conosco todo o ano.

    Eu amo todas as Entidades, eu amo a Umbanda!



Carlos de Ogum
domingo, 10 de dezembro de 2017 38 comentários

Ser Umbandista de Coração

                             
Muitas pessoas se dizem umbandistas, batem no peito,
orgulhosamente dizendo a si mesmo que a Umbanda é a religião que toca
e comanda seu coração.

    Mas ai que está o porém e a pergunta...


    O que é ser umbandista?

    Uma das primeiras coisas que devemos entender é que nunca devemos
ter vergonha em demonstrar, não só a nós mesmos, mas a todos nossos
semelhantes que amamos incondicionalmente essa religião tão
maravilhosa, tão bela, mas tão mal compreendida.

    É inaceitável que um umbandista tenha vergonha de expressar seu
amor pela religião, ou que tenha vergonha de ser identificado como um
irmão de terreiro.

    Nós umbandistas de coração devemos nos dar acima de tudo a
caridade de um trabalho espiritual.
    Devemos saber e entender que uma casa, um terreiro, um centro de
Umbanda é um local espiritual, e devemos entender que esses locais
representam a bela Umbanda.

    Devemos crer que temos que respeitar para sermos respeitados,
ouvir para que sejamos ouvidos, é sabermos amar para que sejamos
amados, e principalmente saber darmos um pouco de nós para que assim
recebamos a luz divina de Deus dentro de nosso coração.

    Devemos ter a percepção que a Umbanda não faz e nunca fez
milagres, e termos a compreensão de quem faz é Deus, e esses milagres
só quem os recebe são aqueles que realmente os mereceram.

    Temos que ter a grande compreensão de que uma casa de Umbanda não
é comércio de bençãos, não vende e nem dá salvação, porém oferece a
ajuda para aquele que deseja encontrar um caminho de luz rumo a Deus.

    O umbandista é aquele que respeita a casa que se encontra, por seu
Zelador de Santo e pela própria religião de Umbanda como um todo.

    O umbandista é aquele que não é dominado pela vaidade, pelo
orgulho, pelo ódio, pela prepotência, pela promiscuidade. É aquele que
sabe tirar suas dúvidas com seu Zelador, sabe conversar expondo tudo
aquilo que deseja entender.

    O umbandista deve saber que nem sempre estamos preparados, que é
necessário muita dedicação, tempo e boa vontade para os trabalhos de
Umbanda. Devemos entrar no terreiro sem ter hora para sairmos, ou sair
apenas após o último consulente ter sido atendido.

    O umbandista sabe que se deve dar liberdade aos Guias que se
utilizem, quando necessário, de bebidas e fumo, mesmo se o médium não
fume ou beba, e devemos confiar sempre que nossas amadas Entidades de
Luz, mesmo se utilizando desses artefatos, nos deixem bem ao término
das sessões.

    Ser umbandista é entregar a coroa a nossos Orixás, para que assim
ele me revigore com sua força, deixando-me forte o suficiente para que
eu possa viver meu dia em uma luta constante em benefício dos que
precisam de auxílio espiritual.

    Ser umbandista é não ter medo de sofrer preconceitos por não negar
o que sou, e ser o que sou com dignidade e com amor.
É sofrer por não negar o que sou e ser o que sou com dignidade, com amor
e muita dedicação.

    O umbandista é aquele que ama e defende sua religião, mesmo sendo
chamado de louco, atrasado, ignorante, feiticeiro, e mesmo assim
dedica-lhe todo carinho e amor que ela merece.

    O umbandista é aquele que mesmo atacado, ofendido fisicamente,
espiritualmente ou moralmente pelos hipócritas e falsos religiosos,
continua mesmo assim amando a linda Umbanda.

    É ser chamado de adorador das trevas, do diabo e do satanás,
chamado também de servo dos encostos pelas bocas sujas e podres dos
vendedores de bençãos, e mesmo assim erguer a cabeça, sorrir e seguir
em frente com dignidade.

    O umbandista deve ser umbandista, sempre pedindo ao Pai Maior que
ele não esteja apenas sendo umbandista. É acreditar que mesmo nos
piores momentos da vida, com as maiores mazelas, com as maiores
decepções, mesmo estando em épocas ruins espiritualmente ou
materialmente, que os Orixás e as Entidades de Luz mesmo que não
possam nos tirar daquela situação por termos que passar por aquilo,
estarão ali, ao nosso lado em todos os momentos nos dando ânimo, força
e coragem, pois para sermos verdadeiramente umbandistas, devemos crer
nessas divindades sublimes, pois elas são a representatividade da pura
essência de Deus, nosso amado Pai Maior.

    Ser umbandista é vestir o branco sem vaidade.

    É não ter orgulho quando se recebe um agradecimento de alguém que
você nunca viu, simplesmente porque uma de suas Entidades de Luz o
ajudou a não ter orgulho.

    É colocar suas guias de trabalho e sentir o peso da
responsabilidade, onde muitos sentem apenas a vaidade e a ostentação.

    Ser umbandista é se entregar definitivamente a caridade, chorar,
sorrir, respirar, andar dentro de uma religião sem desejar nada em
troca.

    Ser umbandista é entender que não se deve pedir em causa própria,
ter vergonha de pedir as Entidades de Luz por si mesmo, e não ter
vergonha de pedir por um irmão necessitado.


    É estar sempre pronto para servir a espiritualidade e auxiliar aos
consulentes, seja nos terreiros, nos templos, nas casas, nas macaias,
nos caminhos, ou em qualquer lugar que haja a necessidade de nosso
trabalho.

    É saber que ao estar incorporado não é você a estrela do terreiro,
é respeitar cada momento da Entidade de Luz, seus gestos, seus atos,
suas palavras.

    É sentir a força do som dos Atabaques, sua vibração, sua
importância, sua ação dentro da Gira e no trabalho espiritual.

    Ser umbandista é sentir a satisfação de ver um consulente entrar
em um terreiro chorando em desespero, e vê-lo sair mais tarde da Gira
sorrindo.

    É ter esperança que todos os umbandistas encontrarão a receita
mágica do respeito mútuo.

    Ser umbandista é ser fiel a Umbanda mesmo que outros digam que o
que você faz, sua prática,sua fé, sua doutrina, seu acreditar, sua
dedicação, seu suor e suas lágrimas, não sejam em prol de uma
religião.

    É saber que se deve ter atitude, que só palavras não bastam, se
deve falar e fazer,pensar e ser,ser e nunca estar.

É saber que a Umbanda não vê raça, não vê cor, não vê status social,
não vê poderes econômicos, não vê credo. Ela só vê caridade, ajuda,
luta, justiça, cura, vê os problemas, as necessidades e a ajuda para
solucionar as causas dificultosas daqueles que a procura.

    Ser umbandista é entender que a Umbanda é livre, que não tem dono,
não tem bispos, não tem papa, mas está em nossas vidas para nos
auxiliar e a todos que a procuram.

    É saber que não é você que escolheu a Umbanda, e sim que foi a
Umbanda quem escolheu você.

    Ser de Umbanda é amar com todas as forças essa maravilhosa
religião, abençoada pelas Entidades de Luz, pelos Orixás e por Deus.

    Então fale a todos que você é umbandista, mostre seu amor e sua
dedicação aos Orixás e as entidades de luz.

    A Umbanda é linda!

Carlos de Ogum.


quinta-feira, 30 de novembro de 2017 31 comentários

HISTÓRIA DAS MALANDRAS ROSA DA ESTRADA E ROSINHA DA ESTRADA.



 


 **********************************************************************
No cair da madrugada estrelas vi brilhar,
em um céu iluminado segui a caminhada,
encantado vi duas lindas moças a me abençoar,
mostrando-me o destino daquela longa estradda.

Meus olhos brilharam de emoção,
quando vi as belas se transformarem em facho de luz,
ali sabia que recebi uma grande proteção,
das lindas Malandras enviadas por Jesus.

Uma felicidade tomou conta de mim,
pois a noite se transformou em cores de aquarelas,
tudo brilhava do inicio ao fim,
descobri que Rosa e Rosinha eram os nomes delas.
**********************************************************************


    Essa história teve inicio no final do século XIX e começo do
século XX, na região Sudeste do Brasil, exatamente na cidade do Rio de
Janeiro.

Uma jovem mulata de uns 21 anos aproximadamente, que residia nos
miseráveis cortiços da região, fora violentada por um coronel da
época, a deixando, além de desonrada, grávida.

    A bela mulata desesperada pelo fato ocorrido, fugiu para o alto do
morro onde tantos e tantos negros descriminados pelos senhores brancos
residiam.

    E em uma dessas casas de uma negra caridosa, a mulata foi se
abrigar, e claro se esconder do sanguinário coronel, que se
descobrisse a gravidez, assassinaria a mulata sem a menor dor na
consciência por ela está grávida de um filho provindo de uma violência
sem limites.

    O tempo passou, e a mulata cai em uma tristeza profunda. A espera
de uma criança que não desejava, a fazia chorar dias e noites a fio,
porém sempre tranquilizada pela velha negra caridosa que a abrigava em
seu casebre.

    E chegou o dia da mulata dar a luz. Com auxilio das negras mais
experientes ela foi cuidada com carinho para o trabalho de parto. No
entanto as horas passavam, mas a criança não nascia. As dores da mãe
estavam se tornando insuportáveis. Ela chorava copiosamente, sofria
intensamente, a cada contração. Então nesse instante algo de inusitado
acontece. A velha negra caridosa, de olhos fechados coloca as mãos
sobre o ventre da mulata, dizendo assim:

    "Você não tem apenas uma criança em seu ventre. Você tem duas,
duas meninas, duas divindades enviadas por Deus. Porém essas meninas
trazem com elas os dois lados da vida. Sendo o bem, vinda da mãe, e o
mal, vindo do pai.

    Esses dois sentimentos se uniram em carne, fazendo com que as
meninas nasçam como se fosse apenas uma pessoa, e o momento de decisão
será agora, e essa decisão virá da própria mãe. Essa decisão será
respeitada por Deus, e somente um ser prosseguirá com a vida."

    Ouvindo isso a mulata chorou e entendeu o que era sugerido, ou
ela, sacrificando suas filhas, ou as gêmeas ganhariam o direito a
vida, sacrificando a própria mãe.

    A mulata tomada por um carinho maternal, não teve dúvidas,
entregou a sua própria vida nas mãos do Pai Maior, para salvar a vida
das filhas. Mesmo sem entender o que significava tudo aquilo que a
velha negra dissera sobre o bem e o mal, e estarem ligadas pela
carne, ela compreendeu que a vinda das meninas era algo maior que seu
entendimento, e clamou as negras para que salvassem as filhas.

    E assim foi feito, a mulata se utilizou de todas as forças de seu
corpo, e com a ajuda das negras, muitas orações, as crianças nasceram,
e nesse instante após um olhar carinhoso as meninas, a mulata
dando seu último suspiro, desencarna.

    A velha negra faz uma oração ao espírito da pobre mãe
desencarnada, enquanto as outras negras que acompanhavam tudo, olhavam
com espanto para as duas meninas recém nascidas.

    Eram duas meninas lindas, de rostos angelicais, porém com um
detalhe que deixaram as negras reflexivas.

    As meninas eram ligadas uma no corpo da outra, essa ligação se
fazia através dos ombros, das palmas das mãos, das pernas e partes
traseiras dos pés, próximo aos calcanhares. Isso sendo todos do lado
esquerdo de ambas, ou seja, elas estavam sempre uma de costas para a
outra, e assim nunca poderiam se olhar frente a frente, olho no olho.

    Então para entendimento as meninas eram gêmeas xifópagas, ou no
popular, gêmeas siamesas, e isso ocorre quando um óvulo que começou a
se dividir em gêmeos idênticos para no meio do processo (ou, como diz
a teoria alternativa, dois embriões que acabam se fundindo). Este
capricho da natureza pode unir duas pessoas pelos mais diferentes
lugares do corpo, tornando a vida desses seres, no mínimo difícil.

    E assim as meninas viraram atração no morro, todos os moradores da
localidade desejavam ver e entender aquele fenômeno, porém por mais
que chamassem atenção, eram respeitadas extremamente por todos dali,
como que se cada homem ou mulher daquela localidade tivessem as
adotado como filhas, afilhadas ou um membro da família.

    O tempo passou, e as meninas iam crescendo, muitas coisas
aconteceram na região, coisas como a fome, doenças contagiosas,
ataques dos homens brancos e nobres contra os paupérrimos negros
moradores do morro, e isso ia deixando as meninas um tanto
incomodadas e reflexivas, não entendiam essa divisão e esse
preconceito contra os negros, pois esses mesmos negros não tinham
preconceitos contra elas por serem diferentes de todos ali.

    O século XX chegou rápido, e com ele a intensa luta contra os
negros dos morros aumentava ainda mais. Grandes fazendeiros, os
antigos coronéis do café, não aceitavam ainda a libertação de
escravos, mesmo se passando quase vinte anos do fato, e os atacavam,
agora não com a chibata e o tronco de castigos, mas com a falta de
alimentos e medicamentos que tanto era necessário naquele lugar tão
pobre.

    Muitas pessoas de bom coração, ligadas a caridade e a Deus, que
tinha o intuito de auxiliarem esses negros, se uniam em prol de uma só
ideia, salvar a vida de um semelhante, e assim sendo, com um jeito
muito peculiar iam ludibriando a guarda comandada pelos poderosos,
para que assim pudessem levar alimentos e remédios aos necessitados.

    Entre esses Anjos de Deus existiam três nomes muito conhecidos na
região, um era José Amadeu da Silva, conhecido como Zé Amadeu, e
dentro da espiritualidade ficou conhecido como Zé Pilintra, outro era
conhecido como Zé da Lapa, que depois passou a ser conhecido como
Malandro da Navalha Sagrada, e dentro da espiritualidade ficou
conhecido como Malandro Navalha, e o terceiro era conhecido como João
Estradeiro, pois ele era quem conhecia cada viela do morro fazendo
assim facilitar a entrada dos auxiliadores dos negros, esse mais tarde
ficou conhecido na espiritualidade como Malandro das Sete Estradas, e
foi ele que ao conhecer as gêmeas siamesas teve a ideia de
apresentá-las aos amigos Zé da Lapa e Zé Amadeu a fim de buscar ajuda
no fato que tanto incomodava o viver das meninas.

    E assim foi feito, após as explicações do caso aos amigos, João
Estradeiro os leva até o pequeno barraco de madeira na qual as gêmeas
estavam. Ao verificarem as meninas Zé da Lapa e Zé Amadeu ficam
penalizados com a situação. Zé Amadeu fixa os olhos nas gêmeas e vê
envolta delas dois vultos, um extremamente embranquecido e outro
totalmente negro. Ele fecha os olhos e clama ao Senhor Deus ajuda
para auxiliar as meninas, e nesse momento diante deles surge o
espírito da mulata, mãe das siamesas, e ao lado dela uma linda mulher
de manto azul, que sem falar nada apenas os olhavam com carinho.

    O espírito da mulata então disse com a voz serena:

    "Essas são as minhas filhas, fruto de meu ventre, luz de meu
caminhar. A elas entreguei a minha vida. Elas são duas pessoas, porém
um só ser, e esse ser tem dois caminhos, o primeiro o caminho do bem,
caminho esse que vibra em minha alma, e o segundo o caminho do mal,
caminho esse que vibra no espírito sanguinário do pai das gêmeas.

    Uma auxilia a outra a não se entregar a esse mal. E por esse
motivo devem estar sempre juntas. A separação carnal pode ser a perda
de uma das almas, a não ser que elas continuem unidas em prol da
caridade extrema.

    Por serem minhas filhas, e mesmo eu sabendo qual está do lado da
bondade, e qual está do lado da perversidade. Não relatarei, e nem
esclarecerei, pois assim posso protegê-la das obsessões que poderia
sofrer por estar ligada ao mal vibracional dos sentimentos escusos do
próprio pai.

    Peço ao senhor que viu qual das minhas meninas está com a força da
maledicência paternal, que não revele esse segredo, pois devemos
manter as duas meninas em trabalho em conjunto, para que assim o mal
não cresça e tome toda a humanidade."

    Ao ouvir esse relato, Zé Amadeu entendeu a gravidade dos fatos,
uma das meninas era tomada pela luz da caridade e da bondade, e a
outra deveria lutar contra o ódio, rancor e maldades provindas do
espírito paternal, e para isso as duas deveriam continuar juntas
buscando fazer a caridade aos necessitados.

    Mesmo assim não deveriam estar ligadas pela carne, e sim pelo amor
fraternal entre ambas, e esse amor deveria se estender aos semelhantes
necessitados, e só assim a alma da siamesa tomada pelo lado ruim
imposto por seu pai seria salvo e levado aos braços do Pai Maior.

    Ao ver a compreensão de Zé Amadeu, o espírito da mulata sorri, e
agradece, partindo juntamente com a imagem da mulher que lhe
acompanhava.

    A decisão de separar as gêmeas siamesas foi tomada, e esse ato
seria feito por Zé da Lapa e sua navalha sagrada. Ele se concentrou
nos bons espíritos, pedindo forças para uma boa realização do ato.

    Após alguns minutos de reflexão espiritual, Zé da Lapa começa a
fazer a separação das meninas com sua navalha. Com uma pericia divina,
veio ele de corte em corte separando as partes presas de ambas, até
que as separou por completo.

    No mesmo momento que fazia o corte, ele molhava as feridas com o
seu marafo. As negras que acompanhavam de joelhos ao chão, ficavam
boquiabertas ao verificarem as gêmeas sorrindo sem o mínimo de dor.

    O trabalho fora terminado, após a separação, foram feitas
compressas com ervas na qual a velha negra havia trazido com a
finalidade de auxiliar na cura das meninas.

    Se passaram três dias após a separação corporal das gêmeas. As
feridas estavam completamente fechadas. E assim foram retiradas as
compressas, podendo assim que as meninas realizassem um sonho antigo
delas, se abraçarem frente a frente. E diante de muitas lágrimas e
muita emoção, as ex siamesas se abraçaram com muito carinho, como se
fosse a primeira vez que estavam juntas. E depois de 15 anos vivendo
como gêmeas siamesas, as duas se olham fixamente, olhos nos olhos
demonstrando o grande carinho que existia entre ambas.

    O tempo passa, as meninas agora jovens lindas e caridosas, seguem
o mesmo passo de seus três Anjos, João Estradeiro, Zé da Lapa e Zé
Amadeu, que lutam pela caridade a favor dos desafortunados. As gêmeas
agora fazendo parte do grupo dos chamados "Malandros do morro"
lutam da mesma forma com intensidade para levar a caridade a quem
necessita.

    Muitas foram as noites nas quais as gêmeas saiam em busca de
medicamentos, alimentos e água para serem levados e entregues aos
moradores dos morros. Muitas e muitas vezes elas se arriscavam diante
da guarda que só atendiam aos poderosos que odiavam os negros
empobrecidos. Se utilizando de muitas conversas, de muita lábia, de
muito jogo de cintura, que aprenderam com seus amigos Zé da Lapa, Zé
Amadeu e João Estradeiro, elas conseguiam sair e entrar do morro
sempre trazendo algo que fosse para sanar a dor de seus companheiros
negros.

    Certa noite as jovens se aventuram por mais uma jornada de buscas,
com a intenção de trazer remédios a alguns negros que sofriam com uma
febre interminável, dentre esses negros a velha negra que cuidou da
mãe mulata, e também das pequenas gêmeas quando em idade tenra. Ao
descerem o morro se depararam com a guarda armada, e tentaram se
afastar dali. Porém viram que os guardas pegaram um garoto negro que
por infantilidade andava sem o menor receio por entre os brancos da
região. Ao alegarem que o menino havia furtado algo, começaram a
torturá-lo com socos e chutes. O garoto já caído na estrada úmida,
parecia inerte. Ao avistar isso Rosinha sai correndo gritando com a
guarda, enquanto Rosa retorna para buscar ajuda com seus amigos. E
assim elas se separaram, e não mais uma protegia a outra.

    Rosinha é pega pelos guardas, é levada a prisão, e lá foi
torturada a mando dos ditos nobres. Rosa fica desesperada sem saber
exatamente o que tinha acontecido com sua irmã. Sai pela cidade em
busca de notícias dela, porém por medo dos poderosos ninguém dizia
nada, a não ser que os guardas levaram o corpo do pequeno negro que se
encontrava já sem vida.

    Rosa ao encontrar com seus amigos relatou todo o caso, e eles
juntos foram em busca da jovem Rosinha.

    Sete dias se passaram até que conseguiram as notícias buscadas,
descobriram que Rosinha estava na prisão, e assim planejaram de
tirá-la de lá. Após algumas tentativas sem sucesso, enfim conseguiram
resgatá-la, a levando de volta ao morro e a casa da negra caridosa.

    Rosinha estava muito machucada, fraca, sem forças para lutar pela
sua vida, e ainda tinha adquirido uma doença nos pulmões dentro da
prisão.

    Rosa chorava intensamente com a dor da irmã. Vendo ela sem forças,
começou a se entregar a uma tristeza sem fim.

    Alguns dias se passaram, e mesmo com todo auxilio das negras, com
todos os cuidados dos Malandros, Rosinha desencarnou, não suportando
seu estado febril intenso, e todas as dores causadas pela tortura
extrema sofrida pelos guardas a mando dos senhores brancos.

    No mesmo momento que Rosinha desencarna, Rosa sua irmã amada
entra em um desespero profundo, tão profundo que seu corpo que sentia
as mesmas dores da irmã, se entrega vindo a desencarnar quase ao mesmo
tempo, caindo inerte sobre o corpo da jovem.

    Nesse instante todos se ajoelham e clamam misericórdia, e sobre os
olhares entristecidos dos amigos surge a imagem da mulher que antes
acompanhava a mulata mãe das gêmeas. Ela estende as mãos e de uma luz
intensa surge as imagens das gêmeas indo a seu encontro, e dali as
três partem com um sorriso meigo no rosto.

    Zé Amadeu, Zé da Lapa e João Estradeiro se entreolham, sorriem e
se abraçam dando graças ao Pai, por ter colocado as irmãs juntas
novamente, e assim não deixando o mal provindo do coronel sanguinário
tomar conta de uma das gêmeas fazendo com que esse mal se espalhasse
pela humanidade.

    Hoje as gêmeas são conhecidas como Rosa Malandra da Estrada e
Rosinha Malandra da Estrada, trabalhando em prol da caridade nos
terreiros, retirando males, obsessores, e não deixando que o mal
cresça.

    Friso que essas Malandras trabalham sempre juntas, sendo assim é
normal que elas vibrem sempre no mesmo terreiro, ou seja, onde uma
vibra certamente a outra ira vibrar também. É normal onde se tem um
médium que trabalhe com Rosinha Malandra, haja sempre outro para
incorporação e trabalho com a Rosa Malandra, ou vice e versa.

    Os médiuns que trabalham com essas duas Malandras, sentem um
repuxar no lado esquerdo do corpo, como se fosse jogado para frente, e
também pode acontecer um andar inclinado para o mesmo lado, além de
uma falta de sensibilidade no pé esquerdo. E tudo isso pelo fato das
Malandras terem sido xifópagas quando encarnadas.

    Elas tem a necessidade de trabalharem juntas, pois até os dias de
hoje não sabemos o segredo tão bem guardado pelo espírito de sua mãe e
pelo nosso querido Zé Amadeu, conhecido como Zé Pilintra nos terreiros
de Umbanda, segredo esse que talvez nunca seja revelado, qual das duas
Malandras traz na vibração o lado amargo, rancoroso e de ódio do pai.

    Sabemos que separadas esse mal pode crescer, porém juntas a
caridade domina e a luz divina dessas Malandras faz iluminar o caminho
de quem necessita.

Salve as Malandras Rosa e Rosinha da Estrada!

**********************************************************************




segunda-feira, 20 de novembro de 2017 30 comentários

Pontos Cantados Para Rituais de Umbanda

             

    Sabemos que os pontos cantados são verdadeiras orações dentro da Umbanda. Temos a compreensão de que são esses pontos que energizam nossos terreiros e templos a fim de podermos ter rituais e trabalhos de caridade de uma forma acentuada e tranqüila.

    Muitos terreiros têm suas regras e uma colocação muito particular desses pontos, de acordo com o trabalho sugerido; porém hoje vamos demonstrar uma forma básica para um ritual de Umbanda, ou seja, faremos uma seqüência de pontos desde a entrada até o fechamento da Gira, para que todos possam buscar o entendimento e não ficarem perdidos em uma possível visita a um terreiro.

    Frisando que essa colocação dos pontos não são regradas, todo Zelador de Santo tem a liberdade de estabelecer a seu critério, ou a critério do Mentor da casa. Aqui estamos apenas fazendo uma forma bem básica para essa demonstração.

    Não vamos seqüenciar todo ritual, ou seja, não vamos descrever cada passo da Gira, como orações, gestos, atos, enfim, demonstraremos apenas os pontos cantados em uma seqüência básica.


INÍCIO DE GIRA:

Pode ser cantado o Hino da Umbanda:

Refletiu a luz divina com todo seu esplendor,
é do reino de Oxalá onde há paz e amor.

Luz que refletiu na terra Luz que refletiu no mar,
luz que veio de Aruanda para todos iluminar.

A Umbanda é paz e amor. É um mundo cheio de luz. É a força que nos dá
vida e a grandeza nos conduz.

Avante filhos de fé, Como a nossa lei não há,
levando ao mundo inteiro a Bandeira de Oxalá! (bis)


ABERTURA DE GIRA:

Eu abro a nossa Gira com Deus e Nossa Senhora,
eu abro a nossa Gira com Tambores e Pemba de Angola. (bis)

A nossa Gira foi aberta com Deus e Nossa Senhora,
com aqueles mensageiros que vieram do Reino da Glória. (bis)

CRUZAMENTO DO TERREIRO:

Vou cruzar nosso terreiro,
vou cruzar nosso Gongá. (bis)

Com a força de meu Pai Ogum, (diz o nome do Orixá que desejar)
e a benção de Pai Oxalá. (bis)

DEFUMAÇÃO:

Nossa Senhora incensou seus bentos filhos,
para o mal de seus filhos retirar.

Mas eu incenso essa aldeia de Caboclo,
pro mal sair e o bem entrar. (bis)

SAUDAÇÃO A COROA DO ZELADOR DE SANTO DA CASA:

Ô salve a pemba,
também salve a toalha. (bis)

Salve a coroa de Babalorixá. (bis)

SAUDAÇÃO A COROA DA MÃE PEQUENA:

(Se canta para o Orixá regente da coroa)
(No caso do TUPOM: Omulú)

Meu Pai Oxalá é o Rei venha me valer. (bis)
É o velho Omulú Atotô Obaluaiê. (bis)

Atotô Obaluaiê, Atotô Babá,
Atotô Obaluaiê, ele é Orixá. (bis)

SAUDAÇÃO A COROA DO PAI PEQUENO:

(Se canta para o Orixá regente da coroa)
(No caso do TUPOM: Oxossi)

Eu vi chover eu vi relampear.
Mas mesmo assim o céu estava azul.
Firma seu ponto na folha da Jurema,
Oxossi reina de Norte a Sul.

SAUDAÇÃO A COROA DA FILHA PEQUENA:

(Se canta para o Orixá regente da coroa)
(No caso do TUPOM: Iemanjá)

Ê Iemanjá Rainha das ondas Sereia do mar.
Ê Iemanjá Rainha das ondas Sereia do mar.

Como é lindo o canto de Iemanjá,
faz até o pescador chorar,
quem escuta a Mãe D'água cantar,
vai com ela pro fundo do mar.
Vai com ela pro fundo do mar.
Iemanjá.

SAUDAÇÃO AS ALMAS:

Já deu seis horas,
deu meio dia,
as Almas pedem uma Ave Maria. (bis)

Ave Maria cheia de graça,
o Senhor és convosco, bendito sois vós,
entre as mulheres, bendito é o fruto do vosso ventre
Oh Senhor Jesus!


SAUDAÇÃO A TRONQUEIRA (MALANDROS):

(No caso do TUPOM, Senhor Zé Pilintra)

Ô, boa noite pra quem é de boa noite.
Bom dia pra quem é de bom dia.
"Abenção" meu papai "abenção".
Seu Zé Pilintra é rei da boemia.

Seu Zé fecha a porteira,
cancelas e tronqueiras,
não deixa o mal entrar. (bis)

Porque o galo já cantou na Aruanda,
farofa na "fundanga" é que vai queimar. (bis)

SAUDAÇÃO A TRONQUEIRA (EXÚS):

(No caso do TUPOM, Senhor Tranca Ruas, Senhor Sete Encruzilhadas e
Senhor Tiriri)

(Tranca Ruas)

O sino da Igrejinha
faz belém blem blom. (bis)

Deu meia noite o galo já cantou,
Seu Tranca Ruas que é o dono da Gira,
ô corre Gira que Ogum mandou. (bis)

(Sete Encruzilhadas)

Odara,
morador da encruzilhada,
firma seu ponto com sete facas cruzadas. (bis)

Filho de Umbanda,
peça com fé,
a seu Sete Encruzilhadas,
que ele dá o que você quer. (bis)

(Tiriri)

É meia noite em ponto o galo cantou. (bis)

Cantou para anunciar que Tiriri chegou. (bis)

Ele vem da Calunga de capa e cartola e tridente na mão,
esse Exú de fé é quem nos traz axé e nos dá proteção.

Ele é Exú Odara,
e vem nos ajudar,
com seu punhal ele fura,
ele corta demanda ele salva ele cura,
Exú é Mojubá, Laroiê.

Laroiê Exú, Exú é Mojubá.
Eu perguntei a ele o que é Exú ele veio me falar, Laroiê Exú. (bis)

Exú é caminho, é energia, é vida, é determinação,
é cumpridor da lei, Exú é esperto, Exú é guardião.

Exú é trabalho, é alegria, é veloz, Exú é viver.
É a magia, é o encanto, é o fogo, é o sangue na veia vibrando, Exú é
prazer. Laroiê.

Laroiê Exú, Exú é Mojubá.
Traz sua Falange Exú Tiriri para trabalhar, Laroiê Exú. (bis)

Vem seu Tranca Ruas, Maria Padilha e Exú Marabô,
Sete Encruzilhadas, seu Zé Pilintra aqui chegou.
Maria Mulambo, Maria Farrapo e dona Figueira,
dona Sete Saias, Pombo Gira Menina e Rosa Vermelha.
Sete Catacumbas, Exú Caveira firmou ponto aqui.
E o Exú Capa Preta anunciou a festa do Exú Tiriri.

É meia noite em ponto.

FECHAMENTO DA TRONQUEIRA:

Ô lá na beira do caminho,
esse Gongá tem segurança,
na porteira tem vigia,
meia noite o galo canta. (bis)

**********************************************************************

    Com a Gira iniciada, os pontos cantados vão de acordo com os acontecimentos não rotineiros dos trabalhos. São cantados para as Entidades da casa, sendo assim fundamentados pontos para Pretos Velhos, Caboclos, Boiadeiros, Erês, Malandros, Ciganos, Exús ou Pombo Giras, de acordo com que for determinado pelo Mentor da casa, ou pela Gira que estiver agendada. Também é cantado para Orixás, principalmente nos dias de festejos a eles.

    Com essa parte da Gira sendo finalizada, vamos agora aos pontos de encerramento dos trabalhos.
**********************************************************************

FECHAMENTO DE GIRA:

Eu fecho a nossa Gira com Deus e Nossa Senhora,
eu fecho a nossa Gira com Tambores e Pemba de Angola. (bis)

A nossa Gira foi fechada com Deus e Nossa Senhora,
com aqueles mensageiros que vieram do Reino da Glória. (bis)

SAUDAÇÃO AOS ATABAQUES E A CORIMBA:

Tambor você fica ai,
já é hora vou me retirar. (bis)

Adeus tambor,
adeus Gongá,
adeus Umbanda,
adeus meus Orixás. (bis)

**********************************************************************

    E assim se fecha a Gira, frisando que essa colocação não é uma regra, pois vai de terreiro para terreiro, e de Zelador para Zelador de Santo.

    O importante é fazer o possível para acompanhar as canções, com boa vontade, vibração, carinho e fé.


Salve os pontos de Umbanda!


Carlos de Ogum
sexta-feira, 10 de novembro de 2017 41 comentários

Falando de Exú Mulambo e de Pombo Gira Maria Mulambo



************************************************************************
Em uma escura noite de inverno,
no caminho que eu seguia,
buscando um reino eterno,
encontrei o meu Guia.

Ao seu lado uma mulher bela,
que nas mãos trazia a luz,
nas cores da aquarela,
mostrando o caminho que me conduz.

Como Senhor Exú Mulambo ele se apresentou,
me abraçando como se abraça um irmão,
o nome dela era Maria Mulambo como assim demonstrou,
Exú e Pombo Gira que acalentaram meu coração.
************************************************************************

    A história conta que Senhor Exú Mulambo e Dona Maria Mulambo eram irmãos gêmeos nascidos nos meados do século XIII, provindos de uma família humilde que vivia na região noroeste da Inglaterra. Eram caçulas de um grupo de 11 irmãos, e foram separados desses irmãos por serem gêmeos.

    Nessa época alguns líderes religiosos importantes ligados aos nobres e a grandes fazendeiros, pregavam que crianças gêmeas eram a demonstração do mal na terra, que ao nascerem essas crianças estavam ligadas a feitiçarias e bruxarias, e deveriam ser mortas, queimadas ou afogadas nos grandes rios, para que esse mal não crescesse diante do povo humilde.

    Ao nascerem os gêmeos, seus pais ficaram desesperados, tinham receio de que esses líderes descobrissem que naquela gestação tão esperada surgiriam um lindo casal de gêmeos, e certamente seriam assassinados em nome da falsa pregação demoníaca inventada pelos religiosos atormentados pelas suas próprias mentiras, que se prolongavam e iam criando vida.

    No desespero o pai dos gêmeos os esconderam em uma caverna próxima dali juntamente com a sua esposa, afim de deixá-los em segurança. A partir dai espalhou a notícia de que a criança que nascera não suportou o parto, e desencarnou ao nascer.

    Foi uma comoção na região, pois a família era muito querida pelos trabalhadores rurais que ali sobreviviam.

    O pai dos gêmeos também disse que sua esposa se encontrava muito fraca, e que teria que buscar forças nos ares montanheses, e assim conseguiu omitir o nascimento dos gêmeos.

    Essa omissão ficou fora do conhecimento dos líderes religiosos por dez anos. Mas infelizmente algo de inesperado aconteceu.

    Certa tarde os irmãos gêmeos brincavam fora da caverna, e começaram a cogitar novas aventuras, indo até o pequeno arraial onde nasceram. E lá não deixaram de ser notados pela grandiosa semelhança entre ambos.

    O povo um tanto assustado os observavam muitos se afastavam pelo receio de estarem indo ao encontro de seres das trevas, pois por dezenas e dezenas de anos os líderes religiosos pregavam o mal que supostamente vinha de pessoas gêmeas.

    O falatório se espalhou entre todos, e as notícias chegaram até os grandes líderes religiosos, que estupefatos não acreditavam que poderiam ter deixados esses seres demoníacos, isso na visão deles claro, chegarem ao ponto de crescerem e se aventurarem por entre as pessoas da região.

    Foi um alvoroço enorme, todos cogitavam estar sendo atacados por feitiçarias, os líderes saíram em busca dos irmãos gêmeos, até que os encontraram inocentemente brincando pela cidade.

    De uma forma abrupta os capturaram, e os levaram presos até o mosteiro no qual esses líderes viviam. Lá foram apresentados ao grande supremo da religiosidade da época e local, e rapidamente foram jogados em um pequeno calabouço.

    Sem entenderem os fatos reais, as crianças choravam de pavor da situação, e nesse local que tiveram a primeira experiência espiritualista.

    No teor do pavor, na escuridão do calabouço, no desespero das lágrimas perdidas, diante das crianças surge uma linda imagem de um homem, forte e com a serenidade nos olhos, dizendo-lhes assim:

    "Não temam, logo estarão livres. E assim que a liberdade vier vocês partirão para uma nova vida, vida essa que estará cheia de prata e ouro. Porém, o tempo vai mostrar dois caminhos a vocês. O primeiro caminho será da caridade, do amor e da paz. O segundo caminho será de ostentação, prepotência e desamor. O livre arbítrio de vocês é que responderá por um terceiro caminho, no qual vão receber de acordo com o que for escolhido.

    Reflitam bem sobre essas palavras, pois a escolha será difícil, sofrerão pelo frio, fome e dor, mas poderão não sofrer e viver com a riqueza, nobreza, mas lhe faltando algo muito maior.

    Tudo dependerá do que tiverem dispostos a abandonar e a doar no futuro."

    E assim o homem desapareceu, deixando ali sobre intensa reflexão os irmãos gêmeos.

    Fora do mosteiro o pai dos gêmeos desesperado buscava uma maneira de ajudar os filhos, sem imaginar como poderia fazer isso, pois o poder dos líderes sobre o povo era intenso, tanto que centenas de pessoas se aglomeravam em frente ao mosteiro com tochas nas mãos com intuito de levarem às crianças a fogueira para serem queimados vivos.

    O pai em intenso desespero clamava a Deus. Lágrimas rolavam em seu rosto, precisava salvar seus pequenos.

    Na sacada do mosteiro apareceu um dos líderes religiosos dizendo ao povo a decisão tomada pela cúpula, e essa decisão seria levar os gêmeos a fogueira no dia seguinte para serem queimados vivos, e assim afastar os demônios que os seguiam, e desejavam tomar a cidade.

    A população ao ouvirem esses dizeres foram se afastando mais tranqüilos, imaginando que esse seria o melhor caminho a ser tomado para assim proteger a cidade da suposta tomada do demônio.

    Pouco a pouco o local era esvaziado, restando apenas o pai dos gêmeos, que continuava de joelhos a chorar copiosamente.

    Diante dele surge um dos líderes religiosos, no qual lhe estendeu as mãos e o pôs de pé, dizendo com uma voz amigável:

    "Meu irmão, sei do seu sofrimento, sei de sua dor como pai. Não prego o mesmo pensamento que meus companheiros de mosteiro. Não creio que irmãos gêmeos sejam enviados do demônio. Não tenho poder para lutar contra essa ideia, porém posso tentar ajudá-lo a resgatar seus filhos antes do amanhecer, para que assim possa fugir com eles para longe daqui.

    Uma luz de esperança surgiu no coração do pai desesperado. Ele cai de joelhos em frente ao missionário, agradecendo com lágrimas nos olhos.

    A madrugada se entranhou pela noite estrelada. O religioso adentra ao calabouço do mosteiro juntamente com o pai dos gêmeos disfarçado com as vestes usadas no ambiente de orações. Chegaram rapidamente até as crianças, que ao verem o pai se emocionaram extremamente.

    Com um máximo de cuidado conseguiram fugir do fatídico mosteiro do terror, e ainda pela madrugada fugiram da cidade, indo para um local desconhecido dos líderes religiosos.

    Andaram alguns dias e noites. O frio era intenso, a fome companheira extrema, o medo tomava os corações desesperados.

    Chegaram até uma localidade distante, e ali o pai teve que se separar das crianças e retornar ao arraial, pois com a fuga dos gêmeos e o desaparecimento do pai, que era antigo morador da localidade, poderiam os líderes desconfiar de algo, e fazerem algum tipo de mal a mãe das crianças e a seus irmãos.

    O dia já raiava, o homem chega a uma velha senhora, pede-lhe ajuda, explica que deixou a esposa adoentada na cidade vizinha, e tinha necessidade de ir buscá-la, porém tinha obrigação de deixar as crianças em boas mãos para que pudesse fazer uma viagem tranqüila.

    A velha senhora com todo carinho disse-lhe que o ajudaria, e que poderia buscar sua esposa sossegado.

    E assim o homem mais tranqüilizado partiu para buscar sua esposa e filhos, e assim tentar deixar tudo para trás e recomeçar uma nova vida. Porém a fúria dos líderes sem coração não tinha limites. Quando ele retornou a sua casa, o pai esperançoso teve uma surpresa extremamente desagradável. Sua casa tinha sido invadida, e presos foram sua mulher e filhos pelos líderes fanáticos.

    Ele desesperado corre até o mosteiro, e ao chegar acaba sendo capturado, acusado de fazer parte de feitiçarias, e por ter resgatado os gêmeos, que eram vistos como seguimento do demônio.

    De uma maneira covarde e impensável, os líderes, e o povo daquela região levaram a família dos gêmeos para serem condenados a fogueira. E em um grau de intensa de crueldade foram queimados com aval dos líderes religiosos.

    O tempo passou, a família foi esquecida pela população. E os gêmeos continuaram fora da cidade natal deles, vivendo com a velha senhora que lhes cuidavam como se fosse os próprios filhos, esperando a volta do pai que um dia os deixaram sobre os cuidados da anciã.

    E o pai não retornou, e não retornaria jamais. Alguns anos se passaram a velha senhora, agora fraca, doente, frágil, sofria por entender que seus dias de encarnada estavam para terminar, e com isso receosa em deixar os gêmeos desamparados, foi até um velho castelo, no qual ela trabalhou por toda a vida, e lá foi estar com um senhor muito caridoso Conde nobre da região, e com ele buscou auxilio para os gêmeos desamparados.

    Ele ouvindo todo o relato da velha conhecida, disse que ela não deveria se preocupar, pois cuidaria dos gêmeos, e assim o fez quando a anciã desencarnou.

    As crianças viveram no castelo por 10 anos, e nesse tempo aprenderam com o Conde que deveriam sempre buscar fazer o bem, trazer a paz e entregar a caridade. Porém os jovens se sentiam limitados, e desejavam auxiliar mais e mais pessoas, contudo naquela região já tinham feito o que era preciso, desejavam buscar algo ou alguém que realmente estava necessitado.

    Mesmo sem a autorização do Conde, os gêmeos saíram à noite em busca de uma cidade próxima, e assim avaliarem as condições de vida de outras pessoas. E esse foi um erro grandioso. Ao adentrarem na cidade natal deles e de sua família, logo foram percebidos por populares, e esses logo chamaram a atenção dos líderes religiosos, que sem demora foram ao encontro dos gêmeos. Após estarem de cara a cara, não havia dúvida, perceberam que eram os mesmos gêmeos fugitivos. E nesse momento, após muita falação, os jovens descobriram o triste destino de sua família, e talvez o mesmo para eles, a fogueira.

    O Conde dando falta dos jovens, após algumas perguntas descobriu o paradeiro deles. Sabendo de toda a história referente à lenda sobre gêmeos e os líderes cruéis, partiu com uma pequena comitiva no intuito de resgatar os jovens das mãos dos sanguinários falsos religiosos. Porém ao chegar ao local onde se encontravam, o Conde e sua pequena comitiva foram atacados por rebeldes que tomados pela ignorância imposta pelos líderes religiosos, assassinaram a todos sem a menor piedade.

    Ao observar toda essa crueldade o mesmo líder que antes havia auxiliado os gêmeos e seu pai na fuga do mosteiro, novamente buscou ajudar os jovens. O velho religioso dando roupas em farrapos aos jovens mandou que as usasse e separadamente se misturassem com a população. Não deveriam ser vistos juntos, até que conseguissem sair da cidade.

    E assim foi feito, partiram em fuga, com as vestes em farrapos para não serem reconhecidos.

    De cidade em cidade, os jovens iam caminhando, porém as notícias se espalhavam como pólvora, e como os líderes não admitiam por um motivo de orgulho serem contrariados, passaram a perseguir os gêmeos por várias cidades.

    Mesmo sendo perseguidos, os jovens continuavam buscando fazer a caridade aos semelhantes necessitados. Tratavam de doentes, auxiliavam as crianças, os idosos, recolhiam roupas e comida para os menos afortunados. Andavam com as vestes em molambos para não serem reconhecidos, só se encontravam a noite para serem protegidos pela escuridão, e de caridade a caridade feita, iam se mostrando seres de luz, paz e amor, como anjos enviados por Deus.

    Certa noite em uma pequena cidade na qual os gêmeos estavam auxiliando alguns andarilhos adoentados, entre eles várias crianças, um dos líderes que os perseguiam os visualizaram, e ficando de tocaia em observação onde os jovens se escondiam, e quando teve a certeza do local, se debandou apressadamente ao encontro dos outros líderes, com intuito de pegar os gêmeos de surpresa.

    Ao retornarem no local os gêmeos já não se encontravam mais, isso deixou os líderes raivosos ao extremo, e os fizeram sair dali com intenções de muita perversidade. Eles foram até o grupo de andarilhos no qual os jovens estavam cuidando, dentre esse grupo os religiosos pegaram as crianças a força, e espalharam o boato pela cidade que iam sacrificar um a um caso os gêmeos não aparecessem.

    A cidade ficou em desespero, as notícias se espalharam como fogo em pólvora, até que chegaram até os jovens gêmeos, que mesmo sabendo de seus destinos nas mãos dos líderes assassinos, foram até eles pedindo a soltura das crianças.

    Os religiosos capturaram os gêmeos, os torturaram até a morte. Seus corpos foram arrastados e jogados no meio da cidade diante dos olhares incrédulos da população.

    Os líderes simplesmente se viraram e partiram, deixando para trás o gosto amargo da vingança sobre dois inocentes que o único mal feito foi terem nascido gêmeos.

    As pessoas um tanto assustadas, se aproximaram dos corpos ainda vestidos com os molambos, os pegaram e os sepultaram um ao lado do outro. Sobre o sepulcro, flores nas cores azuis e rosas nasceram perfumando todo o ambiente, dessas flores saiam um pequeno néctar que milagrosamente auxiliava na cura de males das pessoas daquela região.

    Hoje em dia Senhor Exú Mulambo e Dona Maria Mulambo, trabalham em prol da caridade em terreiros de Umbanda, trazendo entendimento, retirando obsessores, como Kiumbas, Eguns e Zombeteiros, abrindo caminhos, retirando magia negra e feitiçarias, para aliviar a caminhada dos semelhantes rumo a Jesus.

    Laroiê Senhor Exú Mulambo!

    Laroiê Dona Maria Mulambo!
Carlos de Ogum
  
segunda-feira, 30 de outubro de 2017 177 comentários

ORIXÁ REGENTE DO ANO DE 2018.



 *****************************************************************************

    E o ano de Pai Oxossi está chegando ao fim.

    2017 passou realmente como uma flecha, se findando com muitos
acontecimentos, coisas boas e ruins com esse ano se vão.

    Parando para refletir, fazer um pequeno parecer desse ano de 2017
podemos verificar o quanto houve evolução em nossa caminhada rumo a
Deus, ou talvez não evoluímos nada.

    Passamos bons momentos, assim como passamos momentos tristes.

    Fizemos novos amigos, novos amores, novos rumos talvez aconteceram
na vida de cada um de nós.

    Muitas lições dadas, muitas compreendidas, outras que nem
imaginamos que fosse uma lição.

    E assim o ano de 2017 se vai.

    Em nosso íntimo estamos nos preparando para uma nova era, uma nova
caminhada, novas lições, novos rumos talvez.

    Sabemos que a cada inicio de ano nascem com ele novas
possibilidades de alegrias, tristezas, vencimentos de obstáculos,
decepções, enfim, já ficamos preparados para estabelecer nossas
esperanças no novo ano que está para chegar, e assim elevarmos nossa
fé ao ponto máximo, e passar por ele de uma forma que só restarão as
alegrias, não deixando que as possíveis tristezas nunca nos domine, e
assim possamos progredir ainda mais a nossa tão sonhada evolução
espiritual.

    E a cada entrada de ano, nós umbandistas ou não temos um grande
interesse em saber qual o Orixá ou os Orixás que vão reger esses 365
dias de luta contra as dificuldades da vida.

    E como de costume é feito, o nosso amado Preto Velho Rei Congo,
jogou seus búzios, e nos revelou essa informação, sendo ela confirmada
pelos queridos também Pretos Velhos, Pai Antero e Vovô Benedito da
Calunga.

    Portanto, agora estaremos repassando as informações divulgadas.

    No ano de 2018 o Orixá regente será Pai Xangô que regerá
intensamente por todo ano, tendo como companhia a partir do mês de
junho a linda e explendorosa Mãe Iansã.


    Resumindo, e respondendo a pergunta mais simplesmente, ao ser
perguntado qual Orixá vai reger o ano de 2018, podemos certamente
dizer Xangô, que será o Orixá dominante desse ano.

    O ano de 2018 será um ano de busca de justiça, e cobrança por essa
justiça. A união entre os povos poderá derrubar muitos ditadores e
corruptos, porém tudo vai depender dessa união, pois o povo em geral
estará mais descrente com a própria justiça, e sendo assim poderá não
ter a união necessária para assim criar uma corrente de força, e assim
derrubar aqueles que se utilizam dos recursos públicos para seu
próprio bem estar e demonstração de poder.

    O ano de 2018, tendo também a influência de Iansã, passará tão
rápido quanto o ano de 2017, que tinha a velocidade da flecha de
Oxossi, isso porque os ventos de Iansã soprarão com mais força, e seus
raios riscarão os céus, dando a nítida impressão do tempo passar bem
rápido.

    Será um ano extremamente quente, e todos sentirão bastante isso, e
não só no que se diz a temperatura, pois o fogo vai predominar esse
ano, e sendo assim, além de em alguns meses a temperatura vai estar
fora do esperado, no que se diz calor literalmente, mas a temperatura
dos ânimos pessoais, podendo assim ser um ano com muitas batalhas com
intuito de dominar outros povos.

    A mãe terra estará em plena erupção, e a natureza vai buscar se
defender, isso pode ocasionar algumas tragédias naturais, assim como
grandes tempestades, ativação de vulcões e furacões.

    Em 2018 devemos manter nossa fé ativa, buscar fazer sempre o bem,
sermos fiéis as nossas convicções, pois sabemos que o ano de Xangô é
um ano justiceiro, e assim como Pai Xangô tem como símbolo seu machado
de dois gumes, devemos entender que esse ano será um período de
justiça para os dois lados, portanto aquele que faz o bem com amor e
honestidade, receberá o bem da mesma forma, porém aqueles que não
forem corretos serão cobrados de uma forma extrema.

    O ano de Pai Xangô é bem mais claro, correto e realista, ano que
devemos entrar no próprio eu, e tentar mudar nossos erros.

    Será um ano um tanto difícil a todo o planeta, e a recomendação é
Orar e vigiar, e assim melhoraremos como pessoa, e colheremos os
frutos desse ano da justiça.

    Muitas verdades escondidas aparecerão, muitas pessoas serão
desmascaradas, e muitas dessas pessoas buscarão a anarquia para tentar
se defender.

    No ano de Xangô todos seremos julgados, que seja pelo pequeno ato
falho ou pela grandeza da perversidade, independente disso, todos
seremos, e cada um de nós receberemos a condenação merecida por nossos
atos e ações.

    Esse ano é muito propício para os estudantes, pois além da justiça,
Xangô também é o Orixá da inteligência, e rege a todos que realmente
buscam um objetivo através do saber.

    Em 2018,, o ser humano vai ser tomado pelo mal da depressão, e
isso levará muitos a buscar o caminho de ceifar a própria vida.
Devemos lembrar que a vida não termina com desencarne, e fugir de
nossos problemas dessa forma é estar ampliando mais nossos
sofrimentos, portanto devemos nos manter sempre em ligação com Deus
através da fé, e jamais deixar que obsessores nos induzam ao suicídio.

    Iansã estará em 2018 com Pai Xangô, e ela é a dominadora de Eguns,
portanto toda vez que a tristeza extrema chegar até seu coração, que a
depressão tomar seu ser, que pensamentos suicidas invadirem sua
mente, clame por essa mãe tão dedicada a seus filhos, peça a essa
guerreira que os afaste de todas ideias que certamente iriam levar seu
espírito a sofrer intensamente.

    Com Mãe Iansã vindo no segundo semestre do ano, teremos um ano bem
agitado e, como já dito muito rápido, portanto é recomendado não
deixar as coisas se acumularem, não deixar o que possa fazer hoje para
o dia seguinte, e nunca deixar de buscar os objetivos.

    Iansã é uma Orixá guerreira, e no ano que ela se encontra regendo
ou sendo companheira do Orixá regente, ela deseja que todos devem ser
guerreiros também, lutando contra as injustiças, contra o desânimo,
contra o comodismo. Portanto busquem ser mais objetivos e batalhadores
pelas  próprias causas.

    Que Deus abençoe nossa caminhada nesse novo ano de muitas lutas,
e com muita dedicação, teremos muitas conquistas.

    Esperamos que todos os amigos entrem com muita fé nas vitórias
pessoais nesse próximo ano.

    Que Pai Xangô e a linda Mãe Iansã nos deem caminhos de luz nessa
nova jornada, e que todas as Entidades de Luz nos protejam por todo
ano de 2018.

    Que assim seja!

Carlos de Ogum

*****************************************************************************

 
;