domingo, 10 de julho de 2016

Ogãs, Mãos Sagradas na Umbanda

                 


**********************************************************************

    Saravá os Ogãs!

Ah como é lindo o batuque do tambor,
na Umbanda linda de Nosso Senhor.

É a mensagem que enaltece os Orixás,
é a oração que elevo ao Senhor,
é a vibração que nos faz incorporar,
sem o batuque na Umbanda não se pode trabalhar.

Ah como é lindo o batuque do tambor,
na Umbanda linda de Nosso Senhor.

Eu não sabia mas agora eu aprendi,
que o batuque faz uma Gira de Umbanda,
quem canta encanta a vida dos Orixás,
é uma benção divina que emana muita paz.

Ah como é lindo o batuque do tambor,
na Umbanda linda de Nosso Senhor.

**********************************************************************

    Quando se fala em Ogã, logo nos vem a mente o som do atabaque, a
vibração das Entidades, a força de uma Gira. E é isso mesmo, Ogãs tem
o dom e a missão de fazer uma Gira de Umbanda ter mais luz, vibração e
poder.

    A Umbanda expande sua luz e força através do som e movimento, e
com os pontos cantados que se propicia a instalação energética de
alto nível, que é extremamente essencial para os trabalhos de
caridade.

    Os pontos cantados são poderosos mantras, que recorremos para
atingir uma concentração necessária da corrente mediúnica e quando da
solicitação e invocação das diversas Entidades de Luz que auxiliam nas
Giras de Umbanda.

    É através deles que são canalizadas as forças mentais de todos num
sentido único, estabelecendo uma comunhão entre os médiuns da corrente
e os espíritos evocados que assim se aproximam dos terreiros ou
centros, para a realização dos trabalhos de caridade e correntes
espirituais.

    A harmonia dos sons é uma das mais importantes partes da magia da
Umbanda, criando as condições para a instalação do transe mediúnico e
para a manifestação das Entidades.

    E para todo esse processo acontecer com perfeição temos o nosso
amado Ogã, figura tradicional e clássica nos ritos da sagrada Umbanda.

    Os Ogãs, também podendo ser conhecidos por "atabaqueiros" ou
"curimbeiros", são filhos, ou não, de uma casa de Umbanda, na qual são
destinados a tocar o instrumento sagrado da religião, o Atabaque, ou
alguns instrumentos variados, como o agogô e o triângulo. Os
Curimbeiros e Atabaqueiros também tem a missão de cantar os pontos que
servirão como ato vibracional da chegada de uma Entidade de Luz.

    Um Ogã é e deverá sempre ser um médium bem escolhido para tal
função, pois sua importância dentro de um terreiro e para o andar dos
trabalhos são extremamente essenciais. Gostaria de frisar que muitas
pessoas mal informadas tem como ideia errônea que qualquer um que não
incorpore pode estar diante do atabaque, mas enfatizo que o Ogã deve
ser extremamente preparado para tal função, e que deve ser, além de
um filho dedicado ao máximo, um médium intuitivo, pois ele é peça
fundamental dentro do ritual, e deve entender e saber que dele depende
muitos detalhes no andar da Gira, inclusive deve partir do Ogã algumas
decisões de escolhas de pontos para cada momento do ritual, para caso
algum suposto problema no trabalho, vem dele a intuição de certo tipo
de batida, de tom, de canto, para sanar esse possível problema
espiritual, como por exemplo, um filho da casa da uma abertura a um
obsessor ou a um sofredor, isso se deve ser notado pelo Ogã, e dele
parte a decisão de bater, cantar ou se silenciar, para o melhor
andamento da situação. Portanto, a cada ponto cantado, a cada batida
feita, se deve ter a demonstração de segurança, de intuição, de
sentimento e inteligência, para que tudo ocorra bem dentro de todos os
trabalhos de caridade. Então com toda certeza um Ogã não pode ser só
um curioso, que gosta de fazer barulho no atabaque. Por isso faz-se
necessário que seja escolhido uma pessoa séria, estudada, conhecedora
dos fundamentos da religião.

    Muitas pessoas tem dúvidas sobre as mulheres também poderem ser
Ogãs. Dentro da Umbanda não há nenhuma regra que impeça essa
possibilidade, porém dentro do Candomblé essa colocação não é aceita
por alguns dogmas da religião, principalmente pela menstruação.

    Dentro da Umbanda não é visto dessa forma, pois não seguimos os
dogmas do Candomblé, e sim seguimos as determinações de nossas amadas
Entidades de Luz, e isso é feito diretamente pelas próprias Entidades,
sendo assim, nunca foi dito por nossos Guias que as mulheres estariam
proibidas de serem Ogãs, Curimbeiras ou Atabaqueiras, portanto dentro
da Umbanda temos mulheres nessa honrosa missão e posição, sem
preconceito algum.

    Voltando na importância extrema do Ogã, frisamos que ao acontecer
uma Gira, diante dos Atabaques sagrados se encontram muitas Entidades
de Luz, umas que vão incorporar em algum médium para os trabalhos de
caridade a consulentes, e outras que estão ali, que não trabalham com
incorporação, mas são essenciais suas presenças. Entidades como
Caboclos e Caboclas, Exús e Pombo Giras, Boiadeiros, Malandros e
Malandras, até mesmo alguns Erês, que são responsáveis pelo andamento
da Gira, trabalhando sem tomarem a linha de frente dos trabalhos
espirituais. Dentre esse grupo existe uma corrente de Guias que
auxiliam nos toques e canto da curimba. São chamados de "Mestres na
música de Umbanda", verdadeiros guardiões dos mistérios do som.



    São espíritos bondosos, muito alegres e divertidos, que com o
cantar encantam a muitos no astral. Alguns fazem-se presentes
auxiliando o toque, outros o canto e outros ainda auxiliam a
manutenção da energia e sua dissipação dentro do terreiro. Muitas
vezes chega a acontecer uma espécie de incorporação desses guias com
os Ogãs, os inspirando a determinados toques e cantos. Qualquer pessoa
com experiência em curimba pode relatar casos aonde um ponto vem na
hora que ele é necessário e depois você simplesmente o esquece. Isso
acontece sobre inspiração desses mentores.

    Ser Ogã é muito mais do que ser aquela pessoa no fundo do
Terreiro, tocando pontos para as entidades, médiuns e assistentes.

    Ser Ogã é participar de forma efetiva e consciente nos trabalhos.
Isso exige conhecimento, concentração, responsabilidade e mediunidade.

    O Ogã é o médium responsável pelo canto, pelo toque, pela
sustentação e equilíbrio harmônico dos rituais. Diferente do que muita
gente pensa, um Ogã pode incorporar, porém, a sua mediunidade
manifesta-se normalmente, de forma diferente do restante do corpo
mediúnico. Manifesta, principalmente, através da intuição, das suas
mãos, braços e cordas vocais onde os Guias responsáveis pelo toque e
pelos cantos imantam os seus médiuns Ogãs. Esses mestres da música
atuam ativamente, mas de forma pouco perceptível à grande maioria
dentro do ritual de Umbanda e, muitas vezes, são pouco lembrados. Os
atabaques, quando devidamente consagrados e ativados pelos Ogãs, são
verdadeiros instrumentos de auxílio espiritual, pois são capazes de
canalizar, concentrar e irradiar energias que tanto podem ser
movimentadas pelo próprio Ogã como pelas entidades de trabalho para os
mais diversos fins.

    Para entendimento de todos, vamos frisar que a palavra "Ogã", é de
origem Yorubá, que significa em nossa língua "Senhor da minha casa".
Portanto, a curimba deve ser encarada como uma função de grande honra
e importância, para quem dela participa diretamente.

    É obrigação de todo Ogã, conhecer os diversos ritmos dos pontos e
o momento certo de cantá-los. Devem também, saber o nome de todas as
entidades espirituais que trabalham em seu terreiro, saber distinguir
rapidamente uma entidade de outra, e saber sempre, na ponta da língua,
todas as saudações destinadas aos Guias, Protetores e Orixás, da nossa
querida Umbanda.

    É muito importante, que o ponto seja cantado de forma correta.
Devemos analisar a letra e a melodia , e cantar com muito respeito e
emoção, sem gritaria e sem brincadeiras. Afinal, o ponto é uma prece,
portanto, vamos cantar com muito amor e devoção.

    Finalizando gostaria de frisar que para ser Ogã não basta querer,
se deve estudar, compreender, se fazer entender, buscar no fundo da
alma as intuições, sem medo, sem vaidade, sem querer estar ali apenas
por estar, e com muita humildade.

    Busque o conhecimento, aprenda e entenda os pontos necessários,
cante com amor, toque com respeito, e nunca se esqueça que ao se
colocar a frente de um atabaque, está se colocando a frente de um
instrumento sagrado, diante de várias Entidades de Luz, que estarão
ali, ou para a incorporação e trabalho em prol da caridade, ou para
acompanhamento da curimba, ou para encaminhar espíritos sem luz, ou
para descarregar ou desobsediar consulentes que sofrem com essas
cargas negativas, e tudo isso gira em torno das mãos sagradas do Ogã.

**********************************************************************

    Saravá os Ogãs!

    Bendita seja suas mãos sobre o Atabaque,
louvando os Orixás com muito amor,
elas sangram mas não param de tocar,
e nos dão força com o som desse tambor.

    Graças a ela a Umbanda fica mais bonita,
vozes se juntam para cantar e agradecer,
e pra quem ainda não acredita,
a nossa fé faz o milagre acontecer.

    Abençoada essas mãos, ontem, hoje e amanhã,
salve na Umbanda a Coroa do Ogã.

**********************************************************************


    Salve todos os Ogãs.

    Meu respeito e minha admiração.



Carlos de Ogum

35 comentários:

Aninha de Iemanjá disse...

Salve as mãos sagradas desses médiuns tão iluminados.
Não tenho o dom para Ogã, mas sou muito grata e feliz por ser também curimbeira do TUPOM...

Sendo assim,
Salve os Atabaques sagrados,
Salve os Ogãs,
Salve a Curimba!!!

Murilo Ramires disse...

Pai sou Ogã e me senti muito feliz com seu post. muito muito muito
obrigado

Adélia França de Amorim Cardoso disse...

Maravilhosa homenagem. Salve os Ogãs

Fátima Regina disse...

Amei demais esse texto. Amo o trabalho dos Ogãs. Saravá

Ciganinha disse...

Que a luz de Ogum ilumine todas essas mãos sagradas. Salve os Ogãs

Rodrigo Paiva disse...

Ser Ogã é ser luz no terreiro. Saravá os Ogãs.

Shifu William Costa disse...

Lindo Texto!

Salve a presença e o trabalho do Oga nos terreiros do nosso Brasil.

Gratidão pelo texto

Beatriz Maia disse...

Salve todos os Ogãs, abençoados e trabalhadores pela caridade. Saravá

José Antonio disse...

Um dos maiores simbolos da Umbanda. Salve os Ogãs

Lulu Gomes disse...

Maravilhoso texto sobre os ir~mãos Ogãs. Saravá

Anônimo disse...

Que Oxalá abençoe a todos os Ogãs. Salve

Juarez Mathias disse...

Sou Ogã meu Pai, e estou emocionado com essa homenagem a meus irmãos
de atabaque.

Marcelle do Couto Dias disse...

Obrigado por lembrar desses médiuns maravilhosos, em que a Umbanda
não seria a mesma coisa sem eles.

Anônimo disse...

Linda homenagem aos Ogãs. Salve Umbanda

Carlos Couto disse...

Uma benção a todos os Ogãs. Que senhor Zé Pilintra os proteja.

Anônimo disse...

Saravá os Ogãs. Texto mais que demais. Axé

Ana Maria disse...

Amo o som do atabaque e amo os ogas sarava

Cristinna disse...

Saravá a todos os Ogãs. Bençãos a todos.

Windy disse...

Lindo falar dos Ogãs. Amo muito esse grupo de trabalhadores da Umbanda.

Telma Costa disse...

Um texto de grande valor que demonstra o respeito a esses médiuns benditos. Saravá Ogãs de Luz.

Anônimo disse...

Salve os Ogas

Zequinha Ogã disse...

Saravá todos os Ogãs, salve o Ogã mestre Canhotinho.

Renatinha disse...

Linda e merecida homenagem aos Ogãs. Saravá.

Vera Carvalho disse...

Uma belezura de texto; Salve todos os Ogãs.

Heloisa Santos disse...

Adorei Pai. Eu queria muito ser Ogã, mas na casa que frequento só
aceitam rapazes. Uma pena, pq bato muito bem. :)

Paulo de Odé. disse...

Saravá Pai Carlos. Sou Ogã a 25 anos na mesma casa, e de verdade me
emocionei vendo seu carinho com esse texto a esses médiuns da corimba.
Muito obrigado. Mucoiô.

Fabiana Ferreira disse...

Salve todos os Ogãs. Salve toda a corimba. Salve os Atabaques. Salve
Umbanda.

Zé Canedo disse...

Saravá os Ogãs. Salve meu Ogã mestre Zé do Atabaque do Terreiro de
Umbanda Pai Benedito de Aruanda.

Pai Jonas de Obaluaiê disse...

Que Ogum eleve todos os Ogãs a luz da vitória não deixando a vaidade
tomar conta nem que nenhum desses guerreiros da corimba deem aberturas a
obsessores para nunca atrapalharem essa bela e ardua caminhada.

Jussara Pinho disse...

Saravá Umbanda querida, saravá os Ogãs. Salve a coroa desses
trabalhadores.

Joãozinho do Atabaque disse...

Tenho certeza que todos os Ogãs que lerem esse texto vão se sentir
homenageados assim como eu estou me sentindo agora. Muito obrigado Pai
Carlos de Ogum, Muntumbá.

Fabiano Dutra disse...

Uma das mais importantes tarefas dentro do terreiro, muito bem
homenageado aqui. Parabéns ao autor, e salve a coroa dos Ogãs.

Catarine Blac disse...

Meu filho tem 5 anos e já está nos atabaques, eu fico toda orgulhosa,
obrigado por essa homenagem. A Pai Carlos o nome de meu Ogãzinho é
Fabrício, manda um axé pra ele. Beijos e axé.

Carlos de Ogum disse...

Um grande Axé, a benção de Ogum e proteção de Ibeijada para o Ogã mirim Fabrício.

Paz e Luz!

Jaqueline Aguiar disse...

Lindo demais saravá todos os Ogãs

Postar um comentário

 
;