sexta-feira, 5 de setembro de 2014

VOVÓ JOAQUINA E SUA HISTÓRIA.





 Vovó Joaquina e Sua História.


    "Saravá Vovó Joaquina,
Saravá o seu Gongá,
ela vem de Aruanda,
ela vem pra trabalhar.

    Com suas mirongas,
com seu Patuá,
Saravá Vovó Joaquina,
na fé de Oxalá."


    Vovó Joaquina é uma Preta Velha que trabalha na Umbanda fazendo
sua caridade, auxiliando a quem necessita, ensinando caminhos,,
mostrando aos filhos de fé que não basta dizer ser caridoso, tem que
realmente ser.

    Ela foi uma negra escravizada, que veio trazida de sua terra natal
juntamente com seus pais pelos traficantes de escravos em navios
negreiros pelos meados do século XVIII, quando tinha apenas entre 4 e
5 anos de idade na vida terrena.

    Ela foi levada juntamente com os pais a uma fazenda de
cafeicultores em alguma localidade na região Sudeste do Brasil, e lá
viveu até seu desencarne.

    Quando ainda criança, Joaquina era uma menina atenta a tudo e a
todos, gostava de aprender tudo que poderia com seus irmãos negros, e
essa vontade de aprender lhe deu grandes ensinamentos, tais como
algumas magias vindas por ensinamento de alguns negros mais velhos, o
dom de reconhecimento e uso das ervas, o poder de rezas e benzimentos,
o poder de encaminhar espíritos perdidos e obsessores, a magia de
leitura de destinos em borras de água misturada com mel e fumo, rezas
e benzeduras em partos dificultosos, entre tantos outros dons.

    Ela aos 12 anos teve a sua primeira gravidez, pois era uma menina
sadia, forte e que foi determinada pelo seu senhor escravocrata que
deveria ser genitora de muitos filhos para que assim seu número de
escravos aumentassem a cada ano.

    E nessa gravidez precoce nascera os primeiros negros gêmeos da
região, que seria algo de motivo de visitações intensas de coronéis a
senzala na qual vivia  então a negra Joaquina.

    Para ela aquilo tudo era muito novo, não entendia muito bem toda
aquelas pessoas que vinham na intenção já de compra de seus filhos e
dela própria, pois eram épocas que quem reinava mais, que tinha mais
poder era os escravocratas que tinham mais negros, mais terras para
plantação e mais negras reproduzindo, portanto dois recém-nascidos
gêmeos e meninos, era um feito e uma ótima oportunidade de no futuro
serem reprodutores com possibilidades de gerarem outros gêmeos.

    Além disso, a própria Joaquina era alvo dos olhares de ganância
desses escravocratas, uma pequena negra com possibilidade de gerar
duas vidas de uma vez só em seu ventre era algo muito lucrativo para
os coronéis sedentos de poder.

    Mas com a rejeição de venda, tanto dos gêmeos quanto da menina
Joaquina pelo seu senhor, ela ficou na senzala com seus filhos, sendo
já preparada para ser reprodutora de escravos para a fazenda.

    E assim foi feito, cada ano ela tinha um filho, não mais gerando
gêmeos, levando a baixar as expectativas do coronel.

    E isso foi até ela completar seus 20 anos, quando teve uma grande
tristeza. O coronel cafeicultor, sem que ela menos esperasse, vendeu
a um negociador de escravos, quatro de seus oito filhos, que foram
levados amarrados e chicoteados pelo feitor desse negociador.

    Ela chorava em desespero, ao ver suas crianças serem arrastadas
sem destino pelas mãos do feitor, e entre eles estavam os seus gêmeos,
que na época tinham apenas 8 anos de idade.

    Ela joga-se ao chão clamando ao coronel que não vendesse seus
filhos, que os deixassem na fazenda, que eles pudessem crescer junto a
ela, mas sem sucesso.

    Na saída da porteira da fazenda o pior acontece, um dos gêmeos se
solta das amarras do famigerado feitor e corre sem rumo tentando fugir
daquela situação.

    O feitor sem piedade aponta sua velha arma de fogo contra o menino
indefeso e atira, que cai já sem vida sobre o chão empoeirado da
entrada da fazenda.

    Seu irmão, chorando e dominado pelo ódio, corre mesmo atado pelas
cordas e correntes para atacar o feitor assassino, que sem pensar age
da mesma forma cruel, atirando no outro menino, vendo-o cair sem
chances de defesa.

    O menino gêmeo, com os olhos cheio de lágrimas, observa o corpo
inerte de seu irmão, e mesmo dando seus últimos suspiros grita pela
sua mãe, que desesperada se arrasta na terra seca, tentando chegar
até seus gêmeos, que pela crueldade de um feitor desumano, a faz perder
de uma só vez dois filhos para a fria e sombria morte.

    Joaquina foi tirada dali de uma forma brutal, sem piedade e sem
remorso pelo feitor assassino. Ao ser levada para a senzala, ela
desesperada pela morte de seus gêmeos e pela dor de saber que mais 3
dos seus filhos seriam levados para o comércio de escravos, ela
desmaia aos pés de seus irmãos negros, que com lágrima nos olhos não
sabiam o que fazer e nem como acalentar a imensa perda de nossa
fragilizada negra Joaquina.

    As horas passaram e ela acorda de seu desmaio, com a cabeça
confusa achando que tudo passara de um terrível pesadelo, mas ao
relembrar de tudo, chora desesperadamente, e corre até as grades da
porta da senzala implorando pelos seus filhos.

    Nesse momento as portas se abrem, e é jogado a seus pés dois
corpos inertes, os corpos inertes de seus filhos amados.

    Olhando para o céu, Joaquina com os olhos lacrimejados, toma uma
decisão e faz uma promessa: Nunca mais em quanto viver, iria gerar um
filho para ser escravizado."

    E assim ela, com os ensinamentos adquiridos e o poder das ervas
fez com que seu ventre não gerasse mais filhos.

    Ela viveu nessa fazenda por mais de uma centena de anos, e em todo
esse período se tornou guardiã de todas as crianças negras, na qual
protegia desde a saída do ventre das mães até a maior idade.

    Ela se tornou uma respeitada negra por entre seus irmãos de cor e
por todos daquela região. Era conhecida como a melhor parteira que
existiu por todas as fazendas, tinha o respeito de coronéis e de suas
famílias pelas lendas de "feitiçaria" que ela saberia fazer. Isso se
espalhou por toda a região, levando a muitas pessoas temerem a agora
velha Joaquina.

    Foi responsável por ensinar benzeduras e magias africanas a vários
negros da fazenda e da região, entre esses negros o alegre Benedito,
que ela o tinha como filho, após a morte de seus pais, e o sisudo
Antero, que era seu afilhado e confidente.

    A velha Joaquina após pegar o respeito e a admiração da família do
coronel cafeicultor, saiu da roça e da senzala para trabalhar e viver
na casa grande, sendo ela a responsável por fazer o parto da sinhá,
esposa do coronel, e também a responsável por salvar a vida da própria
sinhá e sua pequena filha nesse parto, após a sinhá ter tido problemas
gravíssimos nessa gestação.

    Com o passar do tempo a velha Joaquina, que nesse período, também
já era conhecida por "Vó Chica", nome dado por seu filho de coração o
negro Benedito, já quase nada fazia, pois o peso da idade não mais a
permitia, ficava perambulando pela fazenda fazendo suas benzeduras, e
com isso cada dia mais era conhecida como a velha feiticeira.

    Seu desencarne foi dado numa tarde de primavera, onde ela chama
sua última filha de sangue, a negra Antônia, conhecida por todos da
fazenda como "Tonha", seu filho de coração o negro Benedito, seu
afilhado Antero e a sinhazinha, filha do coronel, para andarem por
entre as flores de um grandioso jardim da fazenda.

    Ao chegar nesse jardim, ela mansamente senta-se ao chão, e ao
redor dela os negros e a sinhazinha. E com um sorriso tímido ela olha
para os 4 personagens, pegando a seu lado um galho de arruda e outro
de guiné, fazendo o sinal da cruz a cada um.

    Ela já com bastante dificuldade diz:

    "Que a luz de meu Pai Oxalá ilumine a vida e o caminhar de vocês.

Desejo aqui dividir com vocês todo meu amor, minha fé, minha
esperança.

A minha querida filha Tonha, que aqui representa todos meus filhos de
sangue, peço que tenha sempre muita fé no Pai Maior.

A meu filho de coração Benedito, e meu afilhado Antero, que aqui
representam a cumplicidade e o amor de meus filhos gêmeos, peço que
espalhem a caridade pela eternidade.

E a sinhazinha, que aqui representa a esperança de nosso povo não mais
sofrer, não mais chorar, não mais perder seus filhos amados, não mais
morrer nos troncos das fazendas, peço que olhe pela nossa gente, pelos
negros que são açoitados, castigados e mortos pelos seus senhores.

    Eu imploro a Zambi que ele possa ouvir a voz dessa velha negra
castigada pelo destino de ter vivido como escrava, que foi retirada de
sua terra natal, que foi açoitada como animal, que viu seus filhos
serem arrebatados de seu convívio e assassinados sem a menor piedade,
pedir humildemente que o Pai Maior possa levar esperanças a todos que
sofrem as amarguras e dores de ser escravizados, e que sua luz ilumine
a esperança daqueles que aguentarem chegar o dia de vossa libertação."


    E assim ela abre os braços a cada um deles, num abraço carinhoso
de mãe, uma mãe protetora, cuidadora, devota, guerreira.

    Tonha é a primeira a ser abraçada, após ela abraça a Antero, seu
afilhado amado, em sequencia um abraço quase sem forças a sinhazinha,
que chora copiosamente.

    Em seguida ela olha profundamente aos olhos de Benedito, sorri.
Recorda-se de tantos momentos agradáveis junto a seu "moleque", tantas
alegrias, tantos ensinamentos. Ela abre seus braços, Benedito a abraça
fortemente, ambos choram em demasia.

    O abraço dela vai ficando menos apertado, seus olhos cerram, seu
sorriso se vai. E assim desencarna a velha Joaquina, a senhora
Feiticeira, a vó Chica, partindo de sua vida terrena, deixando seu
corpo inerte nos braços de seu filho de coração, que sem entender o
acontecido por alguns instantes, ainda a abraça firmemente junto a
lindas rosas e margaridas, flores preferidas de Joaquina, do jardim da
fazenda.

    Vovó Joaquina desencarnou no século XIX com idade incerta, mas
sabendo-se que com mais de 100 anos, sem ver seu povo libertado, sem
saber porque seus filhos tiveram que sofrer tanto, sem entender o
porque que a diferença de raça e cor fazia alguém melhor ou pior do
que o outro.

    Hoje Vovó Joaquina trabalha nos terreiros de Umbanda, trazendo
suas magias, seus dons, suas benzeduras, distribuindo sua caridade com
todas as pessoas que buscam sua ajuda espiritual, sendo essas pessoas
brancas, negras, de qualquer etnia, de qualquer crença, de qualquer
classe social.

    Ela distribui o seu amor, assim como distribuiu com centenas de
crianças que trouxe a vida sendo parteira, distribui seus ensinamentos
espirituais como distribuiu com todos seus irmãos negros e distribui
sua piedade a todos os consulentes que a procuram, assim como
distribuiu a piedade com o feitor que assassinou seus gêmeos sem a
mesma piedade que ela nos concede hoje.

Uma Benção De Vovó Joaquina: "Que Oxalá Esteja Sempre Com Você, Mas
Que Acima De Tudo Você Esteja Sempre Com Oxalá."

Frase De Vó Joaquina: "Quem Possui O Coração Cheio De Amor, Nada
Teme!"

    Adorei as Almas!

    Saravá a Linda Vovó Joaquina das Almas!

    Agradeço a oportunidade de poder participar das Giras com essa
Preta Velha divina em nosso terreiro, que é incorporada pela nossa
querida Priscila de Omulú.

Carlos de Ogum.






45 comentários:

Aninha de Iemanjá disse...

Como não chorar? Tanta maldade cometida pelos feitores sem coração, e mesmo assim tanto amor e fé e caridade doada por esses negros injustiçados.
Obrigada Vovó Joaquina por todos os ensinamentos, pela proteção e pela honra de sua presença em nosso terreiro.
Salve Vovó "Jucuína", Chica ou seu próprio nome, Joaquina.
Adorei as Almas!!!

Anônimo disse...

Amei essa linda história. Que maravilha de ensinamento de esperança e
fé. Salve a Vovó Joaquina. Ana Maria.

Anônimo disse...

Que mania que meu querido Carlos tem de me fazer chorar com essas lindas
histórias. Que Vó Joaquina abençoe a todos nós. E sem deixar passar a
oportunidade gostaria de deixar aqui a adimiração que tenho por você
querido Carlos, seu trabalho lindo de divulgação de nossa Umbanda e seu
trabalho de caridade que encanta a todos nós que o acompanhamos pelas
redes. Parabéns por tudo isso e claro pela sua descrição em palavras tão
bem colocadas para nos contar as histórias de nossas Entidades amadas.
Grande axé com muito carinho a ti. Beijos. Fabiana de Oiá.

Anônimo disse...

Minha Vovozinha amada. Adorei as Almas

Talita Sousa disse...

Linda história! Até chorei!!
Salve, Vovó Joaquina! Peço a sua benção! :)

Gizele Aquino disse...

Linda história, como sempre uma grande lição de superação e amor ao próximo.
Agradeço por ter a oportunidade de trabalhar com essa linha tão sábia e caridosa.

Adorei as almas!!!

Anônimo disse...

Saravá a doce vovó Joaquina. Adorei as Almas.

Anônimo disse...

Uma maravilhosa história para uma maravilhosa entidade. Saravá vó
Joaquina. Parabens Pai Carlos, mais uma vez mostrando a beleza da
Umbanda e de suas Entidades. Sua benção. Monique Martins.

Anônimo disse...

Uma raridade ver um blog de Umbanda tão bem detalhado e com textos tão magnificos. Um local para grandes lições e ensinamentos, além das maravilhosas histórias, histórias como essa que me fez chorar e refletir sobre o amor de uma mãe e do desamor de pessoas que vivem para fazer o mal sem o menor ressentimento. Parabéns Pai Carlos. Abenção Vovó Joaquina.

Carmem Magalhães

Anônimo disse...

Fiquei muito emocionada com a história da vovó, só tenho a agradecer a Oxalá graça tão maravilhosa de tela como minha mentora, protetora, minha vozinha amada! Priscila

Anônimo disse...

Bença Pai e bença vovó Joaquina/Chica. Achei lindo esse texto e como já
foi relatado por outras pessoas eu também chorei um montão ao ler. Mas
também não tem como não chorar ao saber dessa história tão bela e
emocionante dessa vovó divina. Ameeeeeeeeeiiii.
:) :) Milena Braga. :) :)

Anônimo disse...

Salve a vovó. Adorei as almas

Anônimo disse...

Saravá todos Pretos Velhos. :)

Anônimo disse...

Linda história Pai. Adorei as Almas.

Carmem Lúcia

Anônimo disse...

Parabéns por essa obra linda, saravá a vovó Joaquina.

Cris Goveia

Anônimo disse...

Obrigado por nos presentear com essa maravilhosa história. Foi uma das coisas mais emocionantes que já li. Parabéns ao senhor Pai Carlos, e saudação especial a vovó Joaquina e a Priscila de Omulú que trabalha com essa vovó divina. Paz.

Maria Claudia Gomes

Anônimo disse...

Lindo Pai Carlos. Axé e adorei as almas.

Marilene Fernandes

Anônimo disse...

Muito bom esse texto amigo Carlos, que linda história de vida dessa
Entidade de Luz.

Manoel Santos

Anônimo disse...

Parabéns parabéns parabéns. Estou sem palavras, é emocionante demais. Saravá.

Luzia Teodoro

Anônimo disse...

Mais uma bela lição e uma emocionante história. Nota mil novamente. Sua benção Vovó.

Fábio Araújo

Anônimo disse...

Divinamente linda linda linda. Parabéns Carlos.

Beatriz Napomuceno

Anônimo disse...

Saravá a vovó Feiticeira, que faça suas magias para nos trazer sempre a luz.

Rita de Cássia

Anônimo disse...

Nos abençoe Vovó divina. Saravá.

Roberta Nunes

Anônimo disse...

Um abraço apertado e uma beijoca na bochecha dessa vovó lindinha e tão especial. Toda vez que precisei essa linda vovó estava lá para me socorrer, seja na hora de uma moléstia ou seja na hora de encontrar um caminho para caminhar. Sem a doce vovó Joaquina eu nunca iria chegar tão longe. Abenção minha Vovó amada.

Rosilene de Farias Lima

Anônimo disse...

Que Vó Joaquina nos abençoe hoje e sempre. Adorei essa vovó

Anônimo disse...

Realmente uma linda história que nos motiva incansavelmente a mantermos sempre firme na nossa trajetória; no nosso caminhar; mesmo com todas as Pedras e Espinhos da vida!!!!!!!! E que no final tudo acaba em lindas e maravilhosas Flores em um belo Jardim!!!! Salve Zambi; Salve Zambi; Salve Zambi....... É pras ALMAS!!!!!!

Anônimo disse...

Salve Vovó Joaquina! Escutei seu nome nos meus ouvidos hoje, durante a minha gira de pretos velhos...não sabia nem que a senhora existira. Fui kardecista e há bem pouco tempo estou me familiarizando com a Umbanda. Decidi trabalhar, trabalho com um preto velho e estou aprendendo muito. Depois de incorporá-lo hoje, senti que uma preta velha estava ali ao meu redor e ouvi seu nome nos meus ouvidos. Vim ao google conferir se isso não era coisa da minha cabeça e me deparo com essa estória linda...Ahhh, como estou grata....levei tantos anos pra me decidir trabalhar com a mediunidade (tenho 60 anos hoje)e é impressionante o que está acontecendo! Seja bem vinda, estou ao seu dispor pra trabalhar, obrigada, obrigada, obrigada....

Anônimo disse...

Saravá a vó Joaquina, minha protetora, minha linda Preta Velha. Adorei
as Almas

Anônimo disse...

Nossa Carlos, que historia linda. Desabei a chorar quando a vó Joaquina desencarnou. Parabéns. Lindo demais. Catarina

Anônimo disse...

Salve minha amada Vovó Joaquina. Que me de proteçao e me abençoe sempre. Amei a historia. Chorei e me emocionei. Liandra Ramos

Anônimo disse...

Saravá a vovo joaquina. adorei as almas. Claudio Mourão

Anônimo disse...

Saravá vovó Joaquina. Salve as Almas.

Maitê Proença disse...

Amo essa vovó. Adorei saber sobre a historia dela. Chorei muito no final. Saravá.

Cândida Aparecida disse...

Salve a maravilhosa vovó Joaquina. Que lição de vida. Adorei essa vovó.

Anônimo disse...

Salve vovo joaquina. abençao minha querida conselheira. Amanda Maciel

Anônimo disse...

Fui Cambona da Vovó Joaquina por uns 30 anos, a Médium faleceu e eu sinto uma saudade imensa dessa vovó. Maria da Conceição.

Eunice Farjado Pinto disse...

Vovó Joaquina maravilhosa. Agradeço por toda ajuda recebida. Sua benção.

Anônimo disse...

Salve vovo. Salve sua banda. Bença vo Joaquina.

Windy disse...

Que vovozinha linda. Eu amo essas historias. Beijos nessa vovó tão cheia de luz e fé.

Flavinha disse...

Salve vovó Joaquina. Uma historia linda. Emocionante demais pai. Chorei litros bença

Anônimo disse...

linda historia linda que oxala os protejam motumba

Ana Maria disse...

Salve vovozinha amada. Adorei as Almas

Anônimo disse...

Salve linda vovozinha amém

A sua bênção minha querida e protetora vovó Joaquina disse...

Quando criança tinha muita visões feias até então não era batizada, eu via mosquitos e pernilongos fora do comum muitos bichos fora do normal pessoas deformadas vultos assustadores quando morava-mosna Aclimatação minha mãe deixava a luz de velas na cozinha acesa memória assim minhas noites era de terror só conseguia dormir quando quando eu via a avó entrar porta dentro alta preta brilhava sua pela sua roupa branca duia os olhos um turbante branco na cabeça e uma bengala e muito arcada envolta de uma imensa luz e o Rosário a mesma mão que a bengala , ali eu pegava a coberta jogava sobre minha cabeça assim eu dormia Muito rápido uma paz muito grande me fazia apagar e lendo teme tudo haver com minha linda mãe e avó , e eu nasci pelas mãos de minha mãe eu e meus irmãos,minha mãe Heloisa hoje com 92 anos temos uma excelente obstreta 4 partos games vingou só o casal hoje com 57 anos não me vejo sem olhar a minha infância com minha amada vovó Joaquina eu me chamo Sueli

salete b disse...

Linda história da vovó Joaquina, eu gostaria de saber quais são os adereços que ela usa nos trabalhos e as cores pois hj minha preta Velho me deu o nome de vovó Joaquina mas com o avental azul, lenço azul e cachimbo.
Fico grata se alguém puder me responder e tira minhas duvidas.

Saravá

Postar um comentário

 
;