terça-feira, 30 de setembro de 2014

Vovó Anita, A Preta Velha Doceira




    Na Umbanda temos muitas Entidades de Luz que nos fazem pensar
muito sobre a vida, sobre a caridade, sobre o amor a nossos
semelhantes, sobre a fé em nosso Pai Maior, e entre essas Entidades
divinas está uma Preta Velha que demonstra muito tudo isso para nós
Umbandistas ou não.

    O nome dessa Preta Velha é Anita, ou melhor dizendo, Vovó Anita a
Preta Velha Doceira.

    Portanto hoje falaremos um pouco dessa Entidade de Luz, mostrando
o seu carinho e amor com a natureza, com seus irmãos negros
escravizados como ela, mostrando suas magias, benzimentos e a sua
grande fé em Deus, nos Orixás e nas forças que esses Orixás
representam diante da natureza.


    Anita nasceu no Brasil, em uma fazenda cafeeira,  décima segunda filha
de uma negra escrava e procriadora, seu pai era escravo, também
procriador, sendo ele de outra fazenda vizinha.

    Ela não sabia ao certo o números de irmãos que tinha, pois a
maioria foram vendidos as fazendas da região ainda na fase infantil.

    Seu pai ela só viu duas vezes quando ele voltou a fazenda na qual
Anita cresceu, para que fosse conduzido a uma nova procriação, e entre
essas duas únicas vezes ela não sabia como se portar, o que dizer, o
que pensar sobre tudo aquilo, então se passou despercebido esses
encontros e para ela é como se nunca tivesse existido em sua vida
aquele contato entre pai e filha.

    Anita era uma menina muito dedicada a seus afazeres, tudo que era
Ensinado e demonstrado a ela aprendia facilmente, guardava todos os
detalhes, e criava coisas novas adicionando mais outros detalhes.

    Com isso Anita cresceu na fazenda com a responsabilidade de usar
seus dons para fazer os deliciosos doces com frutas, na qual ela
misturava um a um com paciência e dedicação, até se formar algo
inexplicável, extremamente saboroso e insubstituível.

    Com essa dedicação, ela com o passar dos anos e com mais
experiência, certa noite acorda um tanto assustada com uma voz que
chamava por seu nome.

    Ela subitamente se levanta de sua tarimba, tentando buscar de onde
veio a voz, olhando para os lados e vendo todos seus irmãos negros
dormindo, fica um pouco assustada ao voltar a ouvir a voz a chamando.

    Nesse instante ela tem uma visão de um fecho de luz vindo em sua
direção, e dentro dessa luz uma linda imagem de uma velha senhora
sorridente.

    A senhora a olha com carinho e lhe entrega um pequeno galho de
arruda juntamente com um ramo de guiné, dizendo-lhe:

    "A partir de hoje você usará esse galho de arruda e esse ramo de
guiné amarrado em seu braço direito, fazendo-se assim uma porta para
que as divindades da natureza possam utilizar de teus talentos como
a senhora da frutificação e a mãe de suculentos doces, não só para
agradar o paladar de pessoas famintas pelo sabor inigualável provindo
dessas iguarias, mas sim, que a partir de hoje terás o dom de cura se
utilizando desse poder natural.

    E usará esse dom, além de benzeduras, para curar pestes de seus irmãos negros e de seus senhores brancos, sem recuar ou fraquejar por mais que tu aches difícil a peste que possa ser espalhada dentre teu povo e senhores."

    Ao dizer isso a imagem desaparece diante dos olhos de Anita,
que segura firmemente as ervas dadas a ela.

    A partir desse dia Anita passou a usar os ramos em seu braço
direito amarrado com uma fina palha de milho.

    Ela decidiu então contar toda a história a Joaquina, uma velha
escrava que por mais de uma centena de anos vivia na fazenda, e por
ser uma negra muito respeitada por todos e por ter conhecimentos
diversos, inclusive de feitiçaria, Anita acreditou que seria o melhor
caminho para que tivesse entendimento sobre tudo aquilo.

    A Velha Joaquina, olhando ao ramo no braço de Anita, diz:

    "Minha filha, está para chegar tempos difíceis nessa região,
teremos uma grande nuvem negra sobre nossas cabeças, uma peste vai
aparecer e poderá tomar conta de nossos corpos. Você tem a luz para
salvar muitos de nossos irmãos e nossos senhores. Vá até seu pomar, e
dele traga as frutas que você desejar, pois essas frutas misturadas
com algumas ervas vai ser o remédio de cura de nosso povo e senhores.
Antes disso, se firme em Oxalá e em todos os Orixás trazendo as forças
da natureza junto ao que você ira fazer."

    Anita foi ao pomar recolheu várias frutas, foi recolhendo também
muitos tipos de ervas. Foi para a senzala e ficou em oração junto ao
pai maior. E 3 dias se passaram, quando os primeiros negros desabaram
com a força da peste, foi uma doença que se espalhava pelos pulmões,
levando aos mais fortes dos negros caírem sem condição de respiração.

    Anita como em transe, fez todas as misturas possíveis, e dessas
misturas saiu um chá de frutas e ervas, e uma pasta da mesma mistura.

    E a peste chegou a casa do Coronel fazendeiro e senhor dos
escravos.

    Ele foi o primeiro a se acamar, levando logo em seguida a sinhá
sua esposa.

    Vários doutores médicos vieram a fazenda, mas nenhum deles tinham
a solução, e alguns deles saiam dali com a peste.

    Nas senzalas vários negros se amontoavam sem nenhuma condição de
uma cura. E foi ai que a negra Joaquina foi ao encontro do coronel
fazendeiro, e falou sobre a possível cura, que se encontrava nas mãos
da negra Anita.

    O Coronel manda buscar Anita, que já era famosa pelas suas
deliciosas iguarias, e agora seria ainda mais conhecida por usar
dessas iguarias um modo de trazer a cura para todos que sofriam da tal
peste.

    Ela chega a casa grande da fazenda, indo ao encontro do Coronel,
que foi o primeiro a utilizar a magia provinda das frutas e ervas,
todas passadas pelas mãos da eficiente e tão cuidadosa Anita.

    Ela faz com que o Coronel bebesse do chá, sendo em pequenos goles,
enquanto ela passava a pasta com frutas e ervas espalhando sobre a
altura dos pulmões dele. Nesse momento Anita novamente entra em uma
espécie de transe, fazendo uma oração na qual lhe parecia um linguajar
familiar, mas que na verdade só ela mesma entendia.

    E assim a respiração do senhor Coronel, que até esse momento era
pesada e muito difícil, foi ficando mais calma, leve entrando em ritmo
de uma normalidade extrema.

    Ele olhando nos olhos de Anita, sente uma paz imensa, as dores
cessaram, e o corpo não mais estava febril.

    Agradecido pela melhora imediata, ele com lágrimas nos olhos
suplica a negra Anita que curasse a sua esposa também, que ele seria
eternamente agradecido.

    E assim foi feito, Anita da mesma forma feita ao Coronel, fez a
tão querida sinhá, que em pouco tempo já estava recuperada. E ela por
sinal, estava por demais preocupada com os negros que adoentaram
juntamente com seus senhores, pedindo carinhosamente a Anita que fosse
as senzalas levar aquela tão milagrosa cura a todos os enfermos.

    E ela foi, pacientemente, caridosamente a cada um dos seus irmãos
de raça, e entre um transe e outro, Anita findou com a peste dentro da
fazenda, sem uma só morte entre todos que adoeceram, diferentemente de
outras fazendas que tiveram muitas perdas de vida, tanto de negros
quanto de senhores de escravos.

    As falas sobre as curas feitas por Anita se espalharam por toda
região, e assim todos os Coronéis fazendeiros foram em busca da ajuda
dessa divina senhora doceira. E ela cuidou e curou centenas de
pessoas, sendo escravos e senhores de escravos.

    O Coronel da fazenda na qual vivia Anita, ficou extremamente
agradecido por tanta dedicação e caridade da negra Anita, dando-lhe de
presente dentro da fazenda uma choupana e a chance dela sair das
senzalas abarrotadas.

    E assim ela viveu até seus 90 anos, dentro da fazenda cafeeira, em
sua choupana e em volta todo seu pomar de frutas e ervas mágicas que
utilizava para curar diversos tipos de males do corpo e do espírito,
pois a Velha Anita também se tornou uma das mais conhecidas negras
curandeiras de toda a região.

    Ela desencarnou duas décadas antes da libertação de seu povo
escravizado. E no dia de seu desencarne, ao saber do fato, todos os
negros da região colocaram em seus braços direito um galho de arruda e
um ramo de guiné, para que assim a Preta Velha Anita os protegessem de
todos os males físicos e espirituais.

    Hoje a vovó Anita trabalha nos terreiros de Umbanda, auxiliando os
filhos que tenham males do corpo e da alma, trazendo paz, abrindo
caminhos a todos os filhos necessitados. Nunca deixa um filho sem uma
luz no caminhar, nunca deixa de mostrar a força da fé no Pai Maior e
nunca deixa de mostrar que a natureza é a força contra muitas coisas
que viram obstáculos em nossa vida.

    Saravá a divina e caridosa Preta Velha Vovó Anita!

Adorei as Almas!

Carlos de Ogum.

(Agradecemos a nossa querida Médium Aninha de Iemanjá por nos dar a
satisfação de conhecer essa bela Entidade na linha dos Pretos Velhos,
através do trabalho de caridade e desenvolvimento mediúnico em nosso
terreiro.)


44 comentários:

Aninha de Iemanjá disse...

Ah, meu Deus! Linda, história linda!!!
É inexplicável a gratidão e honra que sinto por tê-la me acompanhando, querida Vovó Anita.
Tanto fez quando encarnada quanto faz agora como essa querida Entidade de Luz na Umbanda.
Obrigada por tudo!
Que vossa luz esteja sempre iluminando meu caminho e que eu seja digna de ter um espírito tão iluminado como o seu me acompanhando.

Mucoiô, minha Vovó amada!
Eu Adorei as Almas <3

Anônimo disse...

Adorei as almas,salve Vovó Anita!!!!!!!! Linda história!!!!! Priscila

Anônimo disse...

Que a Vovó Anita nos abençoe sempre!!!!!!! Priscila

Anônimo disse...

Uma bela história dessa caridosa vovó. Parabéns

Anônimo disse...

Parabéns, mais uma que eu não conhecia.

Patricia Souza

Anônimo disse...

Abenção meu Pai. Parabéns linda história dessa vovozinha.

Bianca Luz

Anônimo disse...

Obrigado por mais esse lindo texto. Saravá.

Pedro Paulo

Anônimo disse...

Texto maravilhoso. Axé e sua benção.
Adorei as Almas.

Paula Dornelles

Anônimo disse...

Saravá, e que Ewa nos proteja nesse mundo de discordias. Axé.

Chicão do Borel

Anônimo disse...

Adorei as Almas. Vó Anita nos proteja.

Cirléia Macieira

Anônimo disse...

Saravá Vovó Anita, abençoe a todos nós.

Ricardo de Xangô

Anônimo disse...

Historia muito bonita Saravá Vó.

José Teixeira

Anônimo disse...

Dedicação a seu povo. Que lição de força e fé.

Fabíola Medeiros

Anônimo disse...

Sem palavras para descrever tão linda história de luta e amor. Parabéns pelo texto.

Marluce Nunes

Anônimo disse...

Maravilhoso post. Amo a presença dos Pretos Velhos. Cada um mais
lindinho que o outro. Adorei as Almas.

Fátima Esteves

Anônimo disse...

Pai Carlos, parabéns por mais uma linda história em seubelo blog.
Vovó Anita nos proteja das maldades e preconceitos sobre nossa religião.

Mãe Joana de Omulu

Anônimo disse...

Saravá vovó Anita. Bença vó

Anônimo disse...

Bela historia Pai Carlos. Amei mais essa. Saravá vovó

Anônimo disse...

Linda historia dessa Vovó Anita tão divina. Axé

Anônimo disse...

Uma história muito bonita e cheia de bençãos. Saravá Vovó Anita.

Anônimo disse...

Adorei. Muito legal o fato dos raminhos. Salve Vovó Anita. Adorei as Almas.

Anônimo disse...

Linda historia da vovó. Saravá os pretos velhos saravá vó Anita

Anônimo disse...

Essa é a vovó que eu queria ter. Adoro cozinhar. Lindo texto. Axé. Salve a vovó Anita. Cleidiane Pires

Anônimo disse...

Adorei vovó Anita. Salve as Almas. Fernandinha

Simone Paiva disse...

Sou comilona, amo doces. Queria muito mas muito mesmo conhecer essa vovozinha. Linda, esperta, amavel e doceira. Quero ela pra mim. Salve a vovó Anita.

Samantha disse...

Historia linda. Saravá vó Anita. Bença.

Anônimo disse...

Amo essas historias lindas. Sempre me emociono. Cleusa maria

Maristella disse...

Essas historias me emocionam demais. Que a vovó Anita acabe com todos males de nosso corpo. Saravá

Ana Clara Peixoto disse...

Saravá vovó Anita. Quando li esse post fiquei maravilhada. Sou de uma familia umbandista. Hoje tenho 22 anos, e acompanho minha mãe a um terreiro desde que tinha 3 anos, e minha mãe era cambona de uma médium que trabalhava com vovó Anita, eu amava. Era boazinha um docinho de vovó. A medium desencarnou eu tinha 12 anos. Mas nunca vou esquecer. Amei de coração.

Jenniffer Dória disse...

Saravá os pretos velhos, saravá as pretas velhas, saravá a doce vovó Anita, salve sua banda. Gostei demais dessa historia.

Andressa disse...

Uma delicia de historia. Salve a nossa mestre cuca vovó Anita. Salveeee

Catarina Batista disse...

Saravá Anita vovó amada. Salve sua coroa salve sua historia.

Viviane disse...

Olá Aninha... sou Viviane e também tenho a honra de ter essa Vovó ao meu lado me ensinando e protegendo. Você conhece algum ponto cantado dela?
Att.
Vivi

Aninha de Iemanjá disse...

Oi, Viviane! Nunca achei ponto para ela, por isso meu Padrinho, Pai Carlos de Ogum, fez um para que cantássemos no centro. É assim:

"No fundo de uma velha senzala,
conheci Preta Velha de amor.
Fazia doce e bala,
Seu Nome era Anita, velhinha flor.

De joelhos pedi proteção,
ela sorrindo me deu com a luz.
Um alívio em meu coração,
Obrigado Vovó Anita, filha do amado Jesus."

Espero que sua Vovó goste...
Paz e Axé!

Maria de Fátima Alves disse...

Salve essa vovó que tenho prazer em trabalhar. Ela quando vem sempre ensina coisas boas

Clarinha Bitencord disse...

Salve vovó Anita adoro essas historias. Axé

Tamara Lindeberg disse...

Pai Carlos me disseram que eu tenho erssa vovó na coroa. Como posso ter certeza? Axé e aguardo

Carlos de Ogum disse...

Cara Tamara, para ter certeza, você deverá estar em um Terreiro de Umbanda, fazer seu desenvolvimebto mediúnico e após esse trabalho de desenvolvimento, se caso você for uma médium de incorporação, está entidade deverá incorporar em você, riscar o ponto, dizer o nome para ser confirmado pelo seu Zelador de Santo.

Axé!

Neyde Marchiolly Amaral disse...

Linda historia dessa vovó. Adoro essas Entidades lindas

Unknown disse...

Gostaria de saber um pouco mais sobre essa entidade, teria algo mais a compartilhar conosco?

victor morel disse...

ola, gostaria de saber mais sobre vó anita, você tem mais alguma informação?

Anônimo disse...

Salve essa linda vovó. Abençoando a todos nós minha amada

Carlos de Ogum disse...

Cara Victor, não! Apenas essas informações passadas por ela em incorporação no médium de nossa casa.

Axé!

Wania Chagas disse...

Salve linda vovó Anita. Amo a senhora e amo sua historia. Salve

Postar um comentário

 
;