sexta-feira, 12 de julho de 2013

Conceito e Tipos de Mediunidades

Mediunidade - Conceito :

    Lamartine Palhano Jr. em seu "Dicionário de Filosofia Espírita",
conceitua mediunidade como sendo uma faculdade inerente ao homem que
permite a ele a percepção, em um grau qualquer, da influência dos
Espíritos. Não constitui privilégio exclusivo de uma ou outra pessoa,
pois, sendo uma possibilidade orgânica, depende de um organismo mais
ou menos sensitivo.

Mediunismo :

    Alexander Aksakof, em 1.890, empregou o termo mediunismo para
designar o uso das faculdades mediúnicas. A prática do mediunismo não
significa que haja prática de Espiritismo propriamente dito, visto que
a mediunidade não é propriedade do Espiritismo.

Médium :

    (Do latim: médium = meio; intermediário; medianeiro). Pessoa que
pode servir de intermediário entre os Espíritos e os homens; aquele
que em um grau qualquer sente a influência dos Espíritos de modo
ostensivo. Como já foi mencionado, todo aquele que sente, num grau
qualquer, a influência dos Espíritos, é, por esse fato, médium. Essa
faculdade é inerente ao homem; não constitui, portanto, privilégio
exclusivo, donde se segue que poucos são os que não possuem um
rudimento dessa faculdade. Pode-se, pois, dizer que todos são, mais ou
menos, médiuns. Todavia, usualmente, assim só se qualificam aqueles em
que a faculdade mediúnica se mostra bem caracterizada e se traduz por
efeitos patentes, de certa intensidade, o que então depende de uma
organização mais ou menos sensitiva.

Os Tipos de Mediunidade

A mediunidade é um compromisso que o espírito assume ao reencarnar, de
exercer um trabalho constante em favor da idéia da imortalidade da
alma, o exercício da caridade ao próximo, e incluindo o dever de
melhorar a sua própria graduação espiritual. Este intercâmbio
exerce-se de diversas maneiras, pois há vários tipos de mediunidade e
de médiuns. Tratando-se de médiuns, existem os médiuns naturais e
médiuns de prova.

MÉDIUNS NATURAIS: são espíritos que já atingiram um alto grau moral, e
ao encarnarem ligam-se naturalmente ao Astral Superior, pela
sensibilidade adquirida através do próprio aprimoramento espiritual.
São espíritos abençoados com o dom da intuição pura, como por
exemplo, Antúlio, Rama, Chrisna, Buda, Jesus, etc.

MÉDIUNS DE PROVA: são os que recebem a faculdade mediúnica como
empréstimo, proporcionando-lhes a oportunidade de resgate de suas
dividas cármicas. Através de processos ainda desconhecidos por nós, os
técnicos do astral hipersensibilizam o perispírito daqueles que ainda
precisam encarnar com a obrigação de trabalhar mediunicamente,
acelerando determinados centros energéticos vitais do seu perispírito,
despertando-lhe provisoriamente a sensibilidade psíquica para maior
percepção dos fenômenos mediúnicos enquanto encarnados. Entre médiuns
de prova, temos médiuns conscientes, semi inconsciente e
inconscientes.


Fases da Comunicação Mediúnica.

O conjunto fenomênico envolve algumas fases, dentre muitos fatos
acessórios que influenciam no resultado final: a Consumação da
Comunicação.

São elas:

Atração, Aproximação e Envolvimento

ATRAÇÃO - quando o desejo coloca o comunicante e o médium em condições
harmônicas. Quando isto ocorre, o comunicante é atraído,não importando
onde se encontre, para a linha de força ( frequência) correspondente,
existente no campo de possibilidades Mento-Magnéticas do Médium.

Como se dá a ATRAÇÃO?

Nos Universos existe uma poderosa força o PENSAMENTO. Ele é a força
maravilhosa responsável por tudo quanto existe. Tal o ser pensante,
tal a obra. Entretanto, para que o pensamento como força geratriz de
algum cometimento possa ser acionado, é necessário o uso da alavanca
do DESEJO, que é representado pela AÇÃO. O pensamento sem o desejo da
Ação, se transforma apenas em sonho. Dito isto, completemos: a atração
se dá, quando o pensamento é acionado pelo desejo da comunicação de
ambos os participantes do fenômeno, médium e espírito.

APROXIMAÇÃO - com a presença do comunicante nas proximidades do campo
de possibilidades do médium, onde suas primeiras emoções já se fazem
sentir, de maneira pouco perceptível, mas reais.

ENVOLVIMENTO - é quando completa-se o fenômeno. As linhas energéticas
harmônicas do comunicante e do campo de possibilidades do médium se
encontram, proporcionando a evidência do fenômeno de forma
indiscutível, assumindo o comunicante o comando relativo das ações
variando de influência mental ao domínio total do físico e quase total
da mente, guardando o médium, entretanto, o domínio das últimas
decisões.

Para melhor entendimento classificaremos a Mediunidade Em graus de
conhecimento, a saber:

Mediunidade Positiva.

Sinônimo de faculdade espiritual.

O médium controla seus sentidos, a mente, a consciência, dominando
tudo através da razão e do sentimento. Através dela, reconhece seus
Guias Espirituais, e Mentores de Alto Nível, seu Mestre de Luz, o
verdadeiro instrutor da sua alma, O médium, é um canal consciente, não
se prestando a manipulações.

Mediunidade Negativa.

Determinados tipos de Mediunidade são originários de problemas nos
Centros de força (Chacras) que estão espalhados pelo corpo e funcionam
como filtros, que protegem a entrada dessas energias. Algumas células
sensitivas do cérebro, ou grupo de células, os neurotransmissores
recebem e transmitem as energias que percorrem por nossa rede nervosa.
São ultrassensíveis, captando energias que vão muito além daquelas que
a ciência lhes atribui. Quando há uma sobrecarga de energias
negativas, tanto astral emocional, quanto mental, podem surgir
inversões dentro dos neurônios, neste caso, há uma predisposição
natural ao desordenamento dessa mediunidade podendo apresentar-se como
falsa mediunidade ou mediunidade negativa, visto que capta mais forças
negativas do que positivas. Normalmente é inconsciente. Sua frequência
vibratória é muito baixa e o médium, está sujeito a perder o controle
para Entidades Espirituais de nível inferior, fazendo-se passar por
Espíritos de Luz, enganando e influenciando o consciente individual e
coletivo. O médium, não está em condições de distinguir a verdade da
mentira, o que vem de fora ou o que vem da alma. Como não há
discernimento, julga esses atos provenientes de um ser superior.

Mediunidade Consciente:

Alguns médiuns ao assumirem suas faculdades espirituais, ou sua
mediunidade, elevam sua sensibilidade e podem, temporariamente, passar
por processos inconscientes devido ao seu desenvolvimento ou preparo
espiritual. Gradualmente essa mediunidade vai se estabilizando até
tornar-se positiva, ativa e consciente. Quando um médium trabalha, com
seus verdadeiros Guias Espirituais, percebe a sua evolução. Tem um
controle melhor da parte emocional, psíquica e mental, assim como o
aumento da sua sensitividade.
Os médiuns CONSCIENTE são aqueles que, apesar da incorporação, guardam
total percepção de tudo que se passa ao seu redor, de tudo que sua
entidade está fazendo. O espírito e o perispírito afastam-se da
matéria, dando a oportunidade da entidade comunicante ligar-se a ela,
mas permanecem ao seu lado. Daí terem consciência de tudo o que está
se passando. Ter mediunidade consciente traz ao médium muita
responsabilidade, pois o médium precisa conhecer bastante a doutrina,
para não atrapalhar manifestação e serviço da entidade com seu mental.
Os médiuns SEMI CONSCIENTE são os que têm momentos de lucidez, de
lembranças, e momentos que sua mente se apaga, eles não se lembram de
nada que aconteceu.

Mediunidade Inconsciente:

O pensamento é dominado por forças externas. As mensagens e os
ensinamentos que vem de seres que servem a Divina Luz, não deixam
margem às dúvidas, eles sempre serão direcionados pelo amor,
sabedoria, fraternidade, paz, justiça, e buscam ajudar a todos a
caminhar para a Luz, e a se tornar verdadeiramente livres.
Os médiuns INCONSCIENTE são os portadores de mediunidade de maior
resgate, e por isto tem que dar mais de si. Então as entidades atuam
com maior intensidade.

Mistificação

Mistificadores existem em toda a parte, dentro da ciência, da
religião, da política, da economia e no espiritismo também. Temos tido
muitos exemplos, pois não é pelo fato de estarem desencarnados que
lhes conferimos credibilidade e confiabilidade ou grau evolutivo, sem
comprovação. Do outro lado da vida, muitos, pouco evoluídos, continuam
a mistificar e enganar pessoas de boa vontade, que só querem servir e
ajudar aos seus semelhantes. A mediunidade pode se tornar um grande
problema se não for tratada adequadamente e com consciência, se não
houver um embasamento seguro com métodos corretos para o médium saber
o que se passa realmente em sua mente e como se proteger dos “Campos
de Força Negativos”. Os estudiosos, desenvolvedores do conhecimento
sobre esta matéria, já classificaram mais de cem (100) tipos de
mediunidade. Dentro deste universo, vamos exemplificar as mais
conhecidas.

Quanto a mediunidade , há várias maneiras de o médium efetuar o
intercâmbio com o Astral. Há então a mediunidade INTUITIVA,
INCORPORAÇÃO, VIDÊNCIA, AUDIÇÃO, PSICOGRAFIA, DESDOBRAMENTO,TRANSPORTE, EFEITOS FÍSICOS, PSICOMETRIA
E CURA

.Mediunidade Intuitiva:

Considerada a mais comum. Existe em um grande número de pessoas.
médiuns, desenvolvidos ou não. Determinados impulsos vibratórios em
sua consciência coordenam e compreendem as mensagens recebidas, para
transmiti-las a terceiros. Médiuns intuitivos são aqueles que captam
os pensamentos dos espíritos.[intuição] Como os outros médiuns, os
intuitivos também servem aos espíritos para suas comunicações.
Prestam-se muito para a direção das sessões espíritas e para a
doutrinação dos espíritos sofredores, porque instantaneamente sabem
quais os pontos a tocar para o esclarecimento deles. Entretanto, dado
a facilidade com que chegam a perceber os pensamentos dos espíritos,
as pessoas dotadas da mediunidade intuitiva precisam ser calmas e
muito ponderadas. Calmas, para não agirem precipitadamente, ao sabor
de qualquer idéia que lhes aflore ao cérebro. Ponderadas, para
analisarem muito bem as intuições que recebem.
Ela é a mediunidade através da qual o médium ouve, sente ou recebe o
pensamento dos desencarnados, mas o faz de modo consciente. O espírito
desencarnado age diretamente no cérebro perispiritual do médium
intuitivo, que depois transmite as idéias do seu comunicante ao mundo
material, servindo-se de seu vocabulário próprio. O médium é então um
receptor telepático das entidades.

Mediunidade de Incorporação:

Quando uma entidade espiritual elevada aproxima-se voluntária ou
involuntariamente para manifestar a sua ação de irradiação de sua Luz
Divina, ao médium, voluntariamente. Compulsória Quando a entidade
espiritual vem cumprir sua missão, independentemente do chamado do
médium.
Na mediunidade de incorporação inconsciente e semi inconsciente, o
perispírito do médium afastam-se da matéria, deixando-a sob o comando
total do desencarnado comunicante. Já o consciente, o espírito do
médium posta-se ao lado da sua matéria, para dar o comando da mesma ao
espírito comunicante. Não é porque seu espírito está ao lado ele
conserva a consciência de tudo que se passa, que ele não está
incorporado. Embora o espírito do médium abandone temporariamente a
matéria, fica a ele ligado pelo cordão fluídico. No inicio de
desenvolvimento de incorporação,a entidade não toma a matéria mais sim
irradia seus fluidos a ela, aumentando gradativamente a sua atuação,
até que a matéria do médium acostuma-se com seus fluidos, dando-se
então a incorporação total.

Mediunidade Voluntária:

Quando a Entidade vem cumprir sua missão atendendo ao chamado do Médium.

Mediunidade de Cura Pelas Mãos (Magnetismo):

Quando, por uma sensibilidade psíquica, ocorre uma evasão ou retração
fluídica pelas mãos ou ponta dos dedos. É como um magnetismo
possibilitando os mais variados tipos de cura pela imposição das mãos
sobre um determinado corpo, para equilibrar suas energias, vitalizá-las
ou para cura de partes materiais ou espirituais, doentias.
Na mediunidade de cura, o médium é um espírito com pesados débitos
a resgatar, e por isso tem que dar muito de si, de sua matéria, para
beneficio do próximo. Este desgaste é relativo, e não significa que
encurta a vida do médium. Pode também proceder as curas pela simples
imposição das mãos, que através de passes, incorporando ou não. Neste
caso, o médium não será necessariamente inconsciente.

Mediunidade de Comunicação:

São os diversos graus de irradiação entre o Plano Astral Superior e o
plano material. O médium se comunica telepaticamente recebendo,
transmitindo e repassando mensagens.

Clarividência: é a visão mediúnica, quando se vê o mundo astral.

Vidência: visão mediúnica com imagens que se formam mentalmente
e que tem algum contexto com a realidade ou o mundo astral.
A vidência é o tipo de mediunidade que permite ver as entidades, as
irradiações.
Nela se permite ao médium ver o mundo astral, através dos olhos
perispirituais. É por isso que dizem que os cegos podem ver os
espíritos, pois não dependem da visão material dos olhos para fazê-lo.
O médium, sem auxilio dos cinco sentidos ou do raciocínio, percebe
coisas e fatos que se desenrolam em torno de si, no mundo astral. O
médium pode nascer vidente, e então a sua vidência será chamada de
astralina direta, ou então, através do desenvolvimento mediúnico e
aprimoramento espiritual, torna-se um médium de vidência mental
indireta. Tanto uma como a outra, dependem da maior ou menor
sensibilidade psíquica da criatura, mas sua segurança, exatidão e
proveito, subordinam-se a graduação espiritual do ser.

O médium pode ver as entidades de quatro maneiras diferentes:

Vidência 1. Projeção , o médium vê apenas um facho de luz, uma
coloração que depende da vibração atuante. Não vê forma humana, nem
identifica a entidade.

Vidência 2. Parcial , o médium percebe uma forma humana ao lado de
quem está trabalhando espiritualmente, mas ainda não dá uma perfeita
identificação. Vê somente o contorno, a forma.

Vidência 3. Acavalamento , o médium vê a entidade por cima dos ombros
de outro médium. Já percebe se é masculina ou feminina, se é caboclo
ou preto-velho ou outro falangeiro qualquer, se os cabelos são longos
ou curtos, etc. Muitos médiuns que tiveram esse tipo de vidência
afirmam, por desconhecimento, que as entidades vistas possuíam mais de
dois metros de altura, não percebendo que a entidade, vista acima dos
ombros de outro médium, produziu uma falsa impressão de altura.

Vidência 4. Encamisamento , o médium vê a entidade toda, perfeita.
Isso acontece na incorporação integral, quando a entidade toma conta
do corpo de um outro médium.

Mediunidade de Audiência:

Clariaudiência: audição mediúnica, dom de ouvir a voz dos espíritos.

Há duas espécies de médiuns audientes:
1. Os que ouvem a voz dos espíritos, como se estivessem ouvindo a voz
de uma pessoa.
2. Os que ouvem a voz dos espíritos dentro de si mesmos.

No primeiro caso, os espíritos impressionam os nervos auditivos do
médium.
Isto se deve ao aumento da escala auditiva, normalmente o ouvido
humano percebe vibrações de 16 a 20.000 ciclos por segundo. No médium
audiente, esta percepção vai de 80 a 180.000 ciclos por segundo.

No segundo, o perispírito do médium recebe o pensamento dos espíritos
e o médium o sente como se fosse uma voz interior.
 Um médium audiente pode ouvir a voz dos espíritos, das duas maneiras
ou apenas de uma. Conversa com os espíritos e transmite o que eles
querem dizer aos encarnados.

Mediunidade de Transporte:

 É a capacidade de visitar espiritualmente outros lugares, enquanto o
corpo físico permanece repousando tranquilamente; o espírito se
desliga do corpo e vai para o espaço. Esse transporte pode ser
voluntário ou involuntário.

 No transporte voluntário, o médium se predispõe a realizá-lo. Ele se
concentra e se projeta espiritualmente a outros lugares, tomando
conhecimento do que vê e do que ouve.  O transporte involuntário
ocorre durante o sono. Todos nós nos desligamos do corpo físico
durante o sono e entramos em contato com pessoas e lugares dos quais
não nos recordamos ao acordar. Às vezes,  recebemos nesses transportes
soluções para os nossos problemas que, mais tarde, nos parecerão
idéias próprias. A respeito, diz um ditado popular: "Para a solução de
um grande problema, nada melhor que uma boa noite de sono".

Desdobramento:

Desdobramento é um transporte em que o espírito do médium fica visível
à outra pessoa. O corpo físico fica repousando, o espírito do médium
se transporta a outro ambiente e, nesse ambiente, torna-se visível.
Sonambúlico : Médiuns de Desdobramento: são capazes de se afastarem de
seu corpo físico e desenvolverem atividades espirituais
Neste caso, o perispírito do médium se afasta do corpo físico, podendo
efetuar viagens. O desdobramento pode ser involuntário (quando se
efetua espontaneamente sem a vontade do médium), voluntário (quando o
médium prepara-se, concentra-se para efetuá-lo segundo sua vontade) e
provocado (quando há interferência de uma pessoa, ou de uma corrente
de pessoas para efetuá-lo, por exemplo, a hipnose). Durante o
desdobramento, o médium guarda lembrança variável, mais ou menos
acentuada desta viagem astral, pois ele se conserva consciente o tempo
todo.


Mediunidade Psicográfica:

Tipo de mediunidade muito comum, podendo ser Intuitiva, Semimecânica
ou Mecânica. É a capacidade de receber comunicações pela escrita.
O espírito coloca-se atrás ou do lado do médium, e através da ligação
de seus fios fluídicos ao perispírito do médium, ele adquire o comando
dos movimentos dos braços, antebraços, mãos e dedos dos médiuns, que
passa então a obedecer o comando do espírito comunicante, na
transmissão de mensagens e pinturas.

Psicografia Intuitiva, o médium recebe as mensagens na mente e as
passa para o papel. É pura intuição.

Psicografia Semimecânica, o médium, à medida que vai escrevendo, vai
também tomando conhecimento do que escreve. O espírito atua,
simultaneamente, na mente e na mão do médium.

Psicografia Mecânica, o espírito atua somente na mão do médium, que
escreve sem tomar conhecimento da mensagem recebida.

Quando, ao invés de escrever, o espírito utiliza a mão do médium para
pintar, esse tipo de mediunidade é chamado de psicopictografia. No
Brasil, entre os diversos médiuns que se destacam nessa área em
particular, citam-se os nomes de Luiz Antonio Gasparetto, José
Medrado, Marilusa Moreira Vasconcelos e Florencio Anton, entre outros.


Mediunidade de Efeitos Físicos:

É uma característica que permite ao Médium liberar energias
ectoplasmáticas para exercer uma ação sobre a matéria (movimento) e
promover sua consequente manifestação (apagar ou acender luzes),
podendo se caracterizar de forma consciente ou inconsciente, chamada
de Telecinesia. Esses médiuns são particularmente aptos a produzir
fenômenos materiais, como os movimentos de corpos inertes ou ruídos,
materialização de Espíritos, etc. Foram muito comuns no passado e
tinham a finalidade de chamar a atenção para os fenômenos espíritas,
mas hoje, são cada vez menos frequentes.
Nesta mediunidade , o médium é doador potencial de ectoplasma, como já
foi dito, que manipulados pelas entidades resultam em materializações,
ruídos, levitações, etc. Este ectoplasma é também utilizado nas
operações espirituais. Apenas com a presença do doador de ectoplasma,
muitas vezes sem nem ele saber que é médium, processam-se os fenômenos
ou os benefícios nas operações.

Materialização de pessoas ou objetos acontece com médiuns que tem o
dom de doar muito ectoplasma o mesmo vai recobrindo o corpo
perispiritual até que se veja nitidamente sua presença no mundo físico
material (ficou muito conhecida através do médium Peixotinho, de Macaé
– RJ, que as realizou na década de 50; Chico Xavier também realizou
algumas sessões com seu grupo e outras junto com o próprio
Peixotinho.). Existe ainda a materialização por transporte de objetos,
um pouco diferente de plasmar, quando o médium tem o dom de
desmaterializar algo em algum local físico e materializar em outro
local. Muito conhecida através do médium Adelarzil (faz
materializações no algodão).

Xenoglossia:

É o ato de falar em outras línguas.

    Essa forma de mediunidade é um tanto mal usada por pessoas que
tentam enganar seus consulentes ou fiéis, pois dentro de religiões que
se utilizam deste dom, a regra sempre é que quando se envia alguma
mensagem, e se é dita em línguas diferenciadas, tem que se dar a
tradução por obrigação.

Psicofonia:

Psicofonia (do grego psyké, alma e phoné, som, voz), de acordo com a
Doutrina Espírita, é o fenômeno mediúnico no qual um espírito se
comunica através da voz de um médium. A Doutrina Espírita identifica
duas classe principais de psicofonia: [Psicofonia]   - a  consciente
- quando o médium afirma ter percebido mentalmente ou escutado uma
fala proveniente de um espírito que desejava se comunicar, tendo-a
reproduzido com o seu aparelho fonador; e   - a  inconsciente  ou
sonambúlica  - quando o médium afirma não saber o que disse, fazendo
entender, neste caso, que o espírito comunicante ter-se-ia utilizado
diretamente de seu aparelho fonador, por estar ele, médium,
inconsciente. Como se verifica em toda classificação espírita, esta
deve ser entendida como didática, sabendo-se haver uma diversidade de
nuances entre uma e outra classe.

Psicometria:

    Através dela, certos médiuns pelo contato de algum objeto, relatam
minuciosamente não só a origem e a historia desse objeto, como também
de seus possuidores. O psicometra desarticula, de maneira acelerada e
automática, a visão e audição perispiritual, acompanhando o mapa de
ações que lhe é traçado no espaço e tempo pelas entidades, obtendo
assim, as informações e impressões que procura.

Absorção:

    A mediunidade de absorção é aquela em que o médium puxa ou pega
para si alguns males de outras pessoas ou ambientes carregados com
sentimentos ruins, como inveja, maledicência, rancor, ódio, etc.
Podendo-se também ser obsessores, espíritos sem luz, no qual esses
males podem trazer complicações para um médium sem desenvolvimento
mediúnico e espiritual.


Mediunidade é a faculdade que dota o homem de sensibilidade permitindo
a percepção e interação com o mundo espiritual.

Mediunidade é coisa séria. Uns a tomam como benção, outros como
maldição. Não importa. Deus nos dá a oportunidade de evolução.

Mediunidade é darma em ação, resgatando carmas antigos e fazendo novas
flores desabrocharem na atmosfera física e espiritual do mundo.

Mediunidade é escutar com o coração, tudo aquilo que não é dito; é por
vezes falar, sem palavras; é amar.

Mediunidade é oportunidade de evoluir acima de tudo, trabalho de
assistência e auto conhecimento íntimo e espiritual.

Mediunidade não é brincadeira, . É um exercício que deve ser levado a
sério, independente de local, idade ou situação financeira.

Médiuns são seres humanos como outros, mas desempenhando seus
trabalhos com mais responsabilidade, amor e fé em Deus, nos Guias e
Orixás.

Carlos de Ogum

Gostaria de fazer um agradecimento especial a amiga Talita Sousa pela
sua ajuda na elaboração desse texto. Obrigado de coração.

48 comentários:

Aninha S. disse...

Nossa, esperei muito por esse texto. Muito bem explicado! Parabéns!!!

Talita Sousa disse...

Adorei! espero que todos gostem! :)

Ana Flávia disse...

Excelente! Precisava disso! :-)

Nando_HTR disse...

Parabéns pelo texto!!!
Clap...clap...clap!

Gizele Aquino disse...

Parabéns pelo texto completo e explicativo como sempre.
Me lembrou uma conversa que tive com um exú no sábado sobre estudar as bases do espiritismo não adianta saber tudo sobre orixás e os guias se não temos a base bem esclarecida.
Isso me lembra que temos que estudar e estudar sempre!!

Bianca Vital disse...

Texto maravilhoso e super explicativo e muito bom para podermos ver o tipo de mediunidade que se tem. E mostra que mediunidade é coisa séria e precisamos estudar antes de qualquer coisa.

Sandra Freitas disse...

Bom dia, sou medium em desenvolvimento e gostei muito do texto.

Anônimo disse...

Gostei do texto. Sou medium em desenvolvimento e o texto me ajudou em alguns questionamentos. Obrigada.

Anônimo disse...

Adorei o texto muito bem detalhado e de essencial valor para os que buscam conhecimentos.
Obrigada

Simone Paiva disse...

Carlos de Ogum muito bem colocado esse seu texto. Mas uma pergunta para
meu esclarecimento. Se eu não desenvolver a minha mediunidade posso
correr algum risco? Passei parte de minha vida em igreja evangélica,
detestava. E agora comecei a frequentar como assistencia em um terreiro.
Me sinto muito bem, mas em algumas vezes apago como se não estivesse
ali. Me falaram que deveria desenvolver, mas ainda tenho receio de fazer
algo errado. E o tempo passa rapido. Estou com 27 anos hoje. Aguardo.

Carlos de Ogum disse...

Cara Simone, o desenvolvimento, deve ser feito de acordo com seu livre arbítrio. Quando você se sentir preparada, peça ao seu Pai de Santo para fazer. E riscos vai de acordo com o tipo de mediunidade que você tem, mas nada que possa lhe deixar preocupada.

Axé!

Anônimo disse...

Seu Carlos de Ogum, precisava entender mais minha mediunidade, seu texto
me ajudou muito, mas tenho algumas duvidas bem particulares, Será que
teria uma oportunidade do senhor me ajudar em alguns pontos que me
considero muito perdida? Meu nome é Adriana Rosa Lima tenho 18 anos e
moro em londrina PR. Precisava muito de um esclarecimento de algumas
coisas que vem acontecendo comigo. Obrigado pela sua atenção. Aguardo
muito ansiosa.

Carlos de Ogum disse...

Cara Adriana, mande suas dúvidas para nosso e-mail: umbanda.yorima.rj@hotmail.com que lhe responderei com prazer.

Axé!

Anônimo disse...

Pai Carlos ultimamente venho sonhando com certas coisas que não demoram
3 dias e acontece. Como por exemplo na semana passada sonhei com uma
grande briga dentro de minha casa, e no segundo dia deu uma baita
confusão do meu pai e meu irmão mais velho que bateu com o carro de meu
pai. Eu poderia considerar isso como avisos? Como um inicio de
mediunidade? Agradeço a resposta. Raquel Martins.

Anônimo disse...

Pai Carlos de Ogum, tenho 15 anos e a mais ou menos 1 ano e 6 meses atrás eu
comecei a ouvir algumas vozes dentro de minha cabeça. Falei a meus pais
e eles disseram que eu estava ficando maluca. Me levaram a um psicólogo
e ele me mandou a um psiquiatra que vem dizendo que não tenho nada. Mas
continuo ouvindo vozes. Não falei mais a meus pais, mas comentei a uma
amiga que me passou o link de seu blog. Li esse texto que me deixou um
pouco aliviada mas muito mais curiosa. Eu acredito que não estou doida
como minha família diz, mas estou quase certa que pode ser espiritual.
Não sei muito bem o que é mediunidade, alias só sei o que li aqui, mas
tenho muitas perguntas. Gostaria imensamente de conversar com o senhor
sobre mim, quem sabe poder me ajudar a me entender e a chegar a uma
decisão, ou estou doida mesmo ou sou médium. Por favor me ajude, pois ja
nao tenho com quem falar, meus pais dizem que sou doida o medico diz que
tenho nada e eu não sei que pensar. Meu nome é Millena sou de Juiz de
Fora MG. Desculpa o desabafo mas to um tanto com medo, não da
mediunidade mas e se nao for? Me ajuda Senhor Carlos.

Carlos de Ogum disse...

Cara Millena, mande-nos um e-mail explicando que tipo de mensagem você está recebendo; o que essas vozes falam? Farei o possível para lhe ajudar. O e-mail é: umbanda.yorima.rj@hotmail.com

Axé!

Carlos de Ogum disse...

Cara Raquel, se esses sonhos seguidos dos acontecimentos forem frequentes, podem sim ser avisos!

Axé!

Anônimo disse...

Pai Carlos, gostaria de expressar minha gratidão pelo texto divino que o senhor escreveu. Está me ajudando bastante na minha caminhada, assim também como suas palavras no twitter. Agradeço também pela atenção dada a mim quando lhe enviei um email sobre o que eu sentia, não sabendo definir se era uma obsessão ou uma demonstração de mediunidade. Segui seus conselhos e dei passos importantes para mim, que me livrou de sentimentos de medo e pavor, hoje sou outra pessoa. Muito obrigado de coração. Sua benção. Patricia Amorim Peçanha. Niteroi RJ

Anônimo disse...

Pai Carlos preciso de ajuda. Quero entender essa minha dita mediunidade. Gostaria de escrever detalhes para o senhor. Posso? Obrigado. Maura Linhares

Anônimo disse...

Muito bem escrito esse texto senhor Carlos de Ogum. Tenho um imenso prazer de acompanhar seu blog. Obrigado por tudo. Francisco Machado

Anônimo disse...

Gostei muito de seu post Carlos de Ogum. Preciso de ajuda sobre isso. Coisas me acontecem. Obrigado pela atenção. Como posso te mandar minhas duvidas? Beijos e saravá. Priscilla Marcondes

Anônimo disse...

Pai Carlos vim aqui para ler seu texto e agradecer pela sua atenção. Eu estava perdida, e o senhor me ajudou demais com tudo que me falou sobre minha mediunidade. E agora eu reconheço que estou no caminho certo. Muito obrigado por tudo. O senhor virou um idolo para mim. Sua benção. Kelly Couto.

Carlos de Ogum disse...

Cara Priscilla, mande-nos um e-mail com suas dúvidas que tentarei esclarecer.
O endereço é: umbanda.yorima.rj@hotmail.com

Axé!

Fabíola Prates Saldanha disse...

Pai Carlos. Socorro! Onde eu ando vejo pessoas que mais ninguém vê. Preciso de orientação. Me ajude por favor. Confio muito nas coisas que o senhor diz. Tenho uma grande amiga que me indicou seu blog, e lendo vi que o senhor passa muita honestidade. Realmente preciso de ajuda.

Carlos de Ogum disse...

Cara Fabíola, entre em contato conosco através do e-mail: umbanda.yorima.rj@hotmail.com que tentaremos esclarecer suas dúvidas e descobrir qual o tipo de mediunidade você possui.

Axé!

Rafaella Marins Vargas disse...

Pai Carlos, de uns 7 meses pra cá tenho um problema estranho quando entro em certos lugares, como hospitais, cemiterios, entre outros. Gostaria de conversar mais com o senhor sobre isso. Tenho 18 anos e sou de São Paulo capital. Como poderia ter essa conversa com o senhor? Obrigado pela atenção e pelo texto.

Carlos de Ogum disse...

Cara Rafaella, pode nos mandar seu relato e suas dúvidas para o nosso e-mail: umbanda.yorima.rj@hotmail,com será um prazer lhe responder.

Axé!

Anônimo disse...

Carlos de Ogum, eu tenho visto vultos que tentam falar, pedir algo que não consigo entender. Não me assusta, mas fico muito nervosa por não entender e poder tentar ajudar em algo. Isso é um tipo de mediunidade? O que poderia eu fazer para melhorar e poder ajudar os donos desses vultos? Agradecida. Elisa Firmino.

Carlos de Ogum disse...

Cara Elisa, sim! Isso é um tipo de mediunidade. Desejando, poderia fazer parte de uma casa de Umbanda para seu desenvolvimento mediúnico e espiritual.

Axé!

Tati Pacheco disse...

Olá! Texto muito esclarecedor. Gratidão. Mas gostaria de uma orientação. Dos tipos de médium idade elencados, ao longo de minha vida, desde a infância, praticamente todos "explodiram". O que estranho é que no desdobramento estou sempre acordada, semi-consciente e percebo que meu guia e mentor não conseguem me acompanhar (parece que vôo e.chego bem.antes deles - nunca sei onde estou indo e nem o motivo). Semi-consciente também na psicografia e na psicopictografia. Efeitos físicos só apareceu por duas ou três vezes (graças a Deus). Sou inconsciente na incorporação e no transporte, mas consciente nos demais tipos de mediunidade. A xenoglossia aconteceu poucas vezes e sempre na psicofonia. Como saber qual tipo de mediunidade devo trabalhar? Há algum tipo que vai se fixar e diminuir ou fechar os demais? Houve momentos em minha vida de eu não conseguir distinguir vivos e mortos. Vejo, ouço, sinto gostos, cheiros, tudo normal... Pode me dar uma orientação? Segundo fui informada, sou filha de Obaluaê... O que eu faço?

Carlos de Ogum disse...

Cara Tati, para firmar qualquer tipo de mediunidade, deverá se manter em desenvolvimento mediúnico espiritual, em algum terreiro de Umbanda, ou mesmo em um Centro Kardecista. Assim com o passar do tempo em desenvolvimento, alguns tipos de mediunidade afloram mais e outras menos, ficando assim fácil de você entender melhor sobre os tipos que poderá trabalhar, podendo até ser todos tipos que já manifestaram até agora. Como em incorporação está inconsciente, deveria deixar que as próprias Entidades de sua coroa trabalhassem esses tipos de mediunidade. Aconselharia continuar a trabalhar todas, pois se as tem, independente de consciente ou não, aprofunde em todas, pois com certeza precisará de uma para usar a outra ou vice versa.

Axé

Belinha disse...

Tenho medo de ver algo. Não gosto de saber que podemos ver e ouvir mortos. Esse texto me deixou confusa. Sonho bastante com muitas coisas. Sonhei que parentes meus estavam mortos, e passaram dias e alguns deles morretam mesmo. Gostei do texto pra entender, mas fiquei com medo.

Pedro disse...

Aprendi demais com esse texto. Obrigado pai.

Anônimo disse...

Me ensinou muito sobre minha mediunidade. Obrigado

Allan G G disse...

Como posso saber se é mediunidade ou maldição?

Carlos de Ogum disse...

Caro Allan, para saber-mos se é uma mediunidade verdadeira ou a dita maldição que você tenta descrever, devemos saber detalhes sobre o que acontece com você para ter chegado à essa dúvida. Desejando entrar em contato, nosso e-mail é: umbanda.yorima.rj@gmail.com

Axé!

Anônimo disse...

Obrigado pelos esclarecimentos nesse texto; Saravá

Unknown disse...

lindo o texto e esclarecedor demais. Gratidão

Nasser Salmen - http://twitter.com/Nasser_Salmen disse...

Nada mesmo nessa vida é por acaso. Ter seguido pelo Twitter a Umbandayorima e diariamente ler esses ensinamentos de Pai Carlos de Ogum, só tem me fortalecido. Estou em Curitiba e Umbandista cada vez mais doutrinado lendo essas jóias. Obrigado. Axé!

Beatriz Silva disse...

Pai Carlos, eu tenho 15 anos e tenho uma estranha sensação todos os dias que escuto chamar meu nome, e logo após escuto falar o nome de alguma pessoa que comheço, e depois escuto palavras aleatorias, como por exemplo assim: Meu nome chamado: Monique. Nome de uma pessoa qualquer: fulano,palavra qualquer: acidente. ou cuidado. ou doença. Isso é um tipo de mediunidade ou eu tenho problemas assim como minha avó acredita. Só lembrando que ja fiz diversos tipos de exames e nunca deu nada de anormal comigo. Obrigado

Carlos de Ogum disse...

Cara Beatriz, isso nao é nenhum tipo de problema como disse sua avó. É um tipo de mediunidade que deve ser desenvolvida, e após esse desenvolvimento você vai entender melhor cada tipo de mensagem passada pelos espíritos. Podendo até saber o dia e local de um possível contratempo, nesse caso poderia até auxiliar à não acontecer.
Boa sorte!

Axé!

Anônimo disse...

Seu texto me ensinou muita coisa pai, Muito obrigado

Leonardo Inácio de Freitas disse...

Ola! Sou do interior de SP (Nova Odessa) e gostaria de sabe pessoas com esta capacidade para um consulta. Independente da religião e métodos aplicados.

Abraços
Leonardo Inácio de Freitas

Anônimo disse...

Carlos de Ogum seu texto me tirou muitas duvidas muito obrigado

Anônimo disse...

Eu precisava ouvir isso, assim com essas palavras, muito objetivo. Obrigada

Fernanda Prates disse...

Eu precisava de uma liçao dessas muito obrigado. Aprendi muito

Lucio Xavier disse...

Que texto nota mil; Da uma luz na nossa caminhada na Umbanda. Obrigado

Clarinha disse...

Aprendi muito com esse texto. Achei a melhor lição sobre mediunidade e agradeço demais

Postar um comentário

 
;